EFE/PRESIDÊNCIA DE MÉXICO
EFE/PRESIDÊNCIA DE MÉXICO

México busca sobreviventes em 10 prédios

Presidente mexicano diz que trabalhos de resgate continuam, pois acredita que haja pessoas com vida; número de mortos chega a 282

O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2017 | 21h30

CIDADE DO MÉXICO - O presidente mexicano, Enrique Peña Nieto, afirmou nesta quinta-feira, 21, que os trabalhos de busca continuariam por se acreditar que havia sobreviventes em dez edifícios que desmoronaram com o terremoto de terça-feira na Cidade do México. O tremor de 7,1 graus que afetou cinco Estados da região central do país deixou ao menos 282 mortos – a maioria na capital mexicana – e mais de 2 mil feridos.

Em visita ao povoado de Chiautla, em Puebla, Peña Nieto afirmou haver uma mesa de coordenação instalada na capital que decide a ajuda necessária para a população afetada pelo terremoto. Ele também destacou que os locais afetados pelo sismo, entre eles Cidade do México, Puebla, Morelos, Estado do México e Guerrero, seguirão as mesmas três etapas usadas após o terremoto do dia 7 em Oaxaca, Chiapas e Veracruz: atenção à emergência, limpeza e reconstrução.

O presidente elogiou o trabalho dos voluntários que em todos os Estados ajudaram na primeira etapa de emergência. “Somos todos um quando se trata de salvar uma vida ou ajudar uma vítima”, disse Peña Nieto na quarta-feira.

Segundo dados do governo, 38 edifícios na Cidade do México caíram com o terremoto e foram criadas brigadas para revisar 2,4 mil imóveis. Desde terça-feira, 50 pessoas foram resgatadas com vida, quase 2 mil receberam tratamento médico e 2.600 permanecem em albergues improvisados. 

No Edifício Álvaro Obregón, na Cidade do México, as famílias pediram hoje às autoridades que continuassem com os trabalhos de busca e não usassem máquinas pesadas, pois ainda havia muitos desaparecidos. Foram resgatados do prédio 28 pessoas, 3 delas na madrugada de hoje. 

Marina Mares Cerda disse que a Marinha havia informado ontem que não havia mais nada a fazer. No bairro de Xochimilco, Exército, Marinha e Defesa Civil passaram da etapa de buscas para a da remoção dos escombros.

“Faltam três andares de destroços para serem retirados e ainda se escutam pessoas ali, disse o voluntário Evodio Darío Marcelino, que trabalhava nos restos de um prédio na capital. Um homem foi retirado ontem de outro edifício que desmoronou parcialmente no norte da capital. Ele estava ferido, mas aparentemente consciente. Vicente Leiva, diretor do Esquadrão Nacional de Resgate, um grupo de especialistas que tem ajudado nas buscas, disse que já havia perdido a noção de tempo, como a maioria dos envolvidos, mas isso não importava, pois à noite seu grupo resgatara duas pessoas com vida. / AFP, AP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.