México começa a avaliar danos após terremoto

Os organismos de socorro, que até horas atrás se concentravam na busca de vítimas na zona castigada pelo terremoto que sacudiu o centro-oeste do México, passaram a remover os escombros e a iniciar o processo de reconstrução. Os mexicanos das zonas mais afetadas reiniciaram também seu trabalho quotidiano em meio a casas destruídas ou parcialmente danificadas. Dois dias depois de o terremoto de 7,6 graus na escala Richter ter sacudido o oeste e o centro do país, as autoridades informaram que 28 pessoas morreram e 300 ficaram feridas na zona. Javier Velasco, um funcionário da Proteção Civil em Colima - cidade localizada a cerca de 500 km a oeste da capital e que foi a mais afetada pelo abalo sísmico - disse que os trabalhos de resgate terminaram. "Já temos certeza de não encontrar mais gente bloqueada, pois não há mais informações sobre desaparecidos."Segundo o funcionário, os serviços de água e luz já foram quase restabelecidos em cerca de 97% das residências em que vive uma população estimada em 610.000 pessoas. No estado de Colima ocorreram os maiores danos, já que seu litoral foi o epicentro do sismo. Pelo menos 25 pessoas ali morreram e 240 foram hospitalizadas. "O próximo passo é a reconstrução", disse Enrique de Jesús Rivera, delegado da Cruz Vermelha em Colima. "Aproximadamente 10.000 casas foram afetadas, e em brevesaberemos quantas foram derrubadas e quantas parcialmentedanificadas". O presidente Vicente Fox visitou na quarta-feira aszonas mais devastadas e prometeu reconstruir as moradias commateriais mais resistentes, capazes de resistir à força dosfuturos terremotos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.