Javier Verdin/Reuters
Javier Verdin/Reuters

México cria 'prisão covid-19' para detentos contaminados

Na região, há 52 infectados, que já estavam isolados; presos serão enviados para uma unidade destinada a menores infratores, que serão realocados

Redação, O Estado de S.Paulo

28 de maio de 2020 | 04h05

PUEBLA, México - Uma penitenciária localizada no estado mexicano de Puebla foi reservada para abrigar exclusivamente detentos contaminados com o novo coronavírus, anunciaram autoridades locais na quarta-feira, 27. 

"Somos o primeiro e único estado que terá uma prisão covid-19 a partir de amanhã, uma experiência única no país", disse o governador de Puebla, Miguel Barbosa, em entrevista coletiva.  Segundo Barbosa, o projeto de adaptação da prisão foi elaborado junto com promotores e juízes. 

Na região, há 52 presos infectados, que já estavam isolados. Eles serão transferidos nesta quinta-feira, 28, para uma unidade de menores infratores nos arredores da cidade de Puebla, a cerca de 120 km da Cidade do México. Atualmente, este local abriga 13 jovens, que serão realocados. 

O secretário de governo de Puebla, David Méndez, disse à imprensa que o local será ampliado para aumentar sua capacidade de 150 para 280 pessoas, embora ele considere que não haverá necessidade de levar muitos presos para a instituição. 

As autoridades informaram ainda sobre seis guardas prisionais que também foram contaminados pelo vírus.

Em 20 de abril, o Senado mexicano aprovou uma lei de anistia para aqueles que cometerem crimes não graves pela primeira vez, o que permitirá que presos sejam liberados como forma de evitar novos casos. 

Com cerca de 120 milhões de habitantes, o México é o segundo país latino-americano com mais mortes ocasionadas pela pandemia, depois do Brasil. Os dados mais atualizados apontam que o país já registrou mais de 78 mil casos e quase 8,6 mil mortes. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.