Mario Gusman/EFE
Mario Gusman/EFE

México diz que venda de avião presidencial ajudará a financiar plano imigratório

López Obrador disse que os lances pelo Boeing 787 Dreamliner usado pelo antecessor Enrique Peña Nieto começarão em US$ 150 milhões

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de junho de 2019 | 21h52

CIDADE DO MÉXICO (Reuters) - O presidente do México, Andrés Manuel López Obrador, disse nesta quarta-feira, 13, que a venda do antigo avião presidencial e de outras aeronaves do último governo ajudarão a financiar os esforços para conter a imigração, conforme um acordo fechado na semana passada com Washington.

O acordo firmado na sexta-feira evitou uma elevação de 5% nas tarifas de importação de bens mexicanos que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ameaçou impor a menos que o México faça mais para conter a imigração ao território norte-americano vinda da América Central.

Em troca, o México concordou em endurecer seus controles imigratórios, o que inclui a mobilização da força de segurança da Guarda Nacional na fronteira sul com a Guatemala.

“No tocante a quanto este plano custará, digo a vocês que temos o orçamento”, disse López Obrador em sua coletiva de imprensa diária. “Ele sairá do que receberemos da venda do luxuoso avião presidencial.”

López Obrador disse que os lances pelo Boeing 787 Dreamliner usado pelo antecessor Enrique Peña Nieto começarão em US$ 150 milhões, citando uma avaliação da Organização das Nações Unidas (ONU). O avião está à venda há vários meses.

Assim que tomou posse, em dezembro, o líder de esquerda anunciou planos de vender o avião, cujo interior espaçoso inclui um quarto e tem selos oficiais do governo gravados nas paredes e monitores de tela plana. O jato foi adquirido no final de 2012 por US$ 218 milhões e está sendo vendido junto com 60 aeronaves do governo e 70 helicópteros.

 López Obrador se recusa a usufruir dos privilégios muitas vezes luxuosos das elites ricas do México, preferindo voar em aviões comerciais.  Ele também adotou uma série de programas sociais para os pobres e idosos, reduziu os salários de servidores civis de alto escalão e diz estar economizando dinheiro público através da eliminação da corrupção. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.