Marcos Brindicci/Reuters
Marcos Brindicci/Reuters

México e Venezuela divergem sobre decisão argentina de nacionalizar YPF

Para presidente mexicano, medida 'não leva a nada'; Venezuela, por outro lado, manifestou apoio a Cristina Kirchner

estadão.com.br,

17 de abril de 2012 | 19h26

SÃO PAULO - Os governos do México e da Venezuela repercutiram nesta terça-feira, 17, a decisão da presidente argentina, Cristina Kirchner, de nacionalizar a companhia petrolífera YPF, controlada pela espanhola Repsol. Mas Caracas e Cidade do México divergem sobre a medida. O presidente mexicano, Felipe Calderón, lamentou a decisão, enquanto a Venezuela manifestou apoio oficial a Cristina.

 

Veja também:

linkEstatização da YPF será discutida pela UE

linkExecutivos foram 'convidados' a sair do prédio

blog CELSO MING: Cristina, a la Chávez

linkRepsol acusa Argentina de tentar esconder crise

especialPIAUÍ: Em represália, Espanha nacionaliza Messi

 

"[Se, na América Latina,] queremos dar crescimento com emprego, desenvolvimento sustentável aos nossos povos, o caminho não é o protecionismo e nem expropriações. O caminho é o comércio, o intercâmbio, os investimentos recíprocos", disse Calderón. Para ele, a decisão da Argentina, além de ser "claramente uma violação aos acordos e tratados" de investimentos, "não leva a nada".

 

"Todos os países em desenvolvimento precisam de investimentos. Ninguém, em sua plena consciência, investe em um país que expropria os investimentos", disse o mandatário.

 

'Tentativas de intimidação'

 

Caracas, por outro lado, disse que "rechaça as ameaças e tentativas de intimidação" por parte da Europa contra a decisão argentina e fez "um chamado para que as nações irmãs do continente acompanhemos a Argentina no exercício de seus direitos soberanos".

 

Um comunicado divulgado pela Presidência venezuelana, afirma que o presidente Hugo Chávez "saúda e respalda" diretamente a colega argentina. O governo venezuelano ainda anunciou que "coloca à disposição do governo e do povo argentino toda a experiência técnica, operacional, jurídica e política da empresa nacional Petróleos de Venezuela (PDVSA) para o fortalecimento do setor público petroleiro e a consolidação de sua soberania energética".

 

Ontem, a presidente da Argentina, Cristina Kirchner, apresentou ao Congresso um projeto de lei para expropriar 51% das ações da petrolífera, que desde 1999 está sob poder da Repsol. A Espanha, por sua vez, anunciou que adotará medidas "claras e contundentes". A UE anunciou que tratará do tema em reunião no final do mês.

 

Com Ansa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.