México exercerá a liderança que tem na AL, diz Calderón

O presidente do México, Felipe Calderón, afirmou que seu país exercerá a liderança que tem de fato entre as nações da América Latina, sem nenhuma preocupação com "a ideologia de um ou outro governo".Em entrevista publicada neste domingo pelo jornal espanhol El País, o governante mexicano, que visitará a Espanha nos próximos dias 29 e 30, ressaltou que, no atual contexto latino-americano, no qual a maioria dos governos são de centro-esquerda ou de esquerda, ele não tem "problemas com a vizinhança". Calderón, do conservador Partido Ação Nacional (PAN), assumiu a Presidência mexicana em 1º de dezembro com a proposta de reduzir os índices de pobreza e lutar contra o narcotráfico. O presidente mexicano disse que não se preocupa com "a ideologia de um ou outro governo", mas acrescentou que "o retorno a regimes autoritários ou a presidentes vitalícios deve preocupar todo o mundo democrático".Calderón disse que a volta a um governo vitalício na Venezuela ou em qualquer parte da América Latina, ou do mundo, é um "motivo para preocupação"."É um tema que cabe aos venezuelanos, mas devemos fazer uma reflexão muito maior no mundo democrático do que a que foi feita até agora", acrescentou Calderón. Sobre a relação com os Estados Unidos em polêmicas como a imigração, o presidente mexicano respondeu que a nova configuração do Congresso americano pode possibilitar um novo enfoque do tema, que - afirmou - "foi manipulado com uma animosidade social e política indevida".Em relação ao narcotráfico e ao crime organizado, Calderón reconheceu que a criminalidade "estava ficando fora de controle", e, por isso, o governo trabalha para "recuperar o controle territorial e ter uma presença muito próxima à população".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.