México exige explicações sobre espionagem na ONU

O México enviou cartas aos EUA e ao Reino Unido exigindo explicações sobre a acusação de que os dois países teriam espionado membros do Conselho de Segurança da ONU antes da guerra no Iraque. Segundo a chancelaria mexicana, o governo expressou ?preocupação sobre o suposto caso de espionagem que... poderá afetar a confiança... entre as nações?.Autoridades dos EUA e da Grã-Bretanha abstiveram-se de fazer comentários, dizendo que não discutem temas de inteligência. No entanto, Adolfo Aguilar Zinser, que foi embaixador do México na ONU até novembro, confirmou a acusação: ?Sim, eles estavam espionando?, disse à imprensa local. Zinser foi forçado a deixar o cargo depois de ter dito que os EUA tratam o México como ?um quintal?. O Chile já havia feito acusação semelhante, denunciando que seus telefones na ONU tinham sido grampeados.Um ano trás, o jornal britânico The Observer informou que a agência de segurança nacional dos EUA, a NSA, havia passado a espionar membros do Conselho de Segurança da ONU. O jornal publicou um memorando que informava de uma ?escalada? na espionagem sobre os países que então compunham a parte rotativa do Conselho, e pedia ajuda da Grã-Bretanha.Uma ex-funcionária britânica, Katharine Gun, confessou ter levado o memorando à imprensa e está sendo processada por violar leis de segredo de Estado. Gun disse que seu ato foi justificado porque ?expôs ilegalidades graves por parte do governo americano?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.