EFE
EFE

México inicia processo de extradição de 'El Chapo'

Segundo autoridades mexicanas, detenção do líder narcotraficante foi formalizada; passo é o mais forte sinal de que país deve entregar Guzmán aos EUA

O Estado de S. Paulo

11 Janeiro 2016 | 09h10

CIDADE DO MÉXICO - O México iniciou formalmente o processo de extradição do narcotraficante Joaquín "El Chapo" Guzmán, recapturado na sexta-feira, afirmaram autoridades mexicanas no domingo 10. Esse é o mais forte sinal de que o país pretende enviá-lo aos EUA. 

As autoridades mexicanas informaram que a Interpol local formalizou a detenção de "El Chapo" Guzmán, com o que pode começar o procedimento para extraditar o criminoso para os Estados Unidos. O traficante, chefe do cartel de Sinaloa foi recapturado na sexta-feira em seu Estado natal.

Segundo a rede americana CNN, "El Chapo" foi notificado pelo governo mexicano que é procurado pelos EUA e seu processo de extradição foi iniciado.

Em comunicado, a Procuradoria Geral da República (PGR) detalhou que "integrantes da Interpol México, junto com a Agência de Investigação Criminal (AIC), executaram no interior do Centro Federal de Readaptação Social número 1, as duas ordens de detenção formal com fins de extradição contra Joaquín Guzmán Loera".

Guzmán foi levado para o presídio na sexta-feira à noite, seis meses depois de fugir do mesmo local por um túnel de 1,5 quilômetro conectado com uma casa abandonada.

Segundo a PGR, "uma vez realizada a parte probatória do procedimento de extradição, os juízes emitirão uma opinião jurídica e posteriormente enviarão os processos à Secretaria de Relações Exteriores, para que ela emita os acordos correspondentes". 

Acusações. A intenção das autoridades mexicanas é que "El Chapo" enfrente a Justiça dos EUA pelas centenas de toneladas de cocaína, metanfetamina e heroína que exportou pela fronteira.

O narcotraficante, acusado pela morte de milhares de pessoas no México e nos EUA, em razão do uso de drogas e da guerra entre gangues, enfrenta acusações em pelo menos sete jurisdições americanas.

O México regularmente extradita líderes de redes traficantes, mas o governo de Enrique Peña Nieto resistiu em entregar Guzmán após a prisão do traficante em 2014 - tida como um momento de orgulho nacional. No entanto, a postura de Peña Nieto mudou após a fuga de "El Chapo" do presídio de segurança máxima. /EFE e REUTERS


Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.