México já soma 152 mortes por suspeita de gripe suína

O número de mortes por suspeita de gripe suína subiu de 149 para 152 no México, informou o ministro da Saúde, José Angel Córdova. Até agora, foram confirmadas 20 mortes pela doença no país e há 1.614 pacientes em observação, segundo o último levantamento. Córdova disse, em entrevista à Televisa, que o número de mortes confirmadas tem caído: foram seis no sábado, cinco no domingo e três ontem. Ainda que mais testes sejam necessários para confirmar a eventual queda, isso poderia sinalizar que a epidemia começa a perder força, acredita o ministro.

AE, Agencia Estado

28 de abril de 2009 | 09h13

O ministro disse que testes mais rápidos e confiáveis de laboratório começam a ser usados no país hoje. Todas as escolas mexicanas estão fechadas até o dia 6 de maio. As da Cidade do México, principal foco do problema, já estavam fechadas desde sexta-feira passada. A capital mexicana está com zoológicos, museus, igrejas, tribunais e a maioria dos restaurantes fechados. Agora, a cidade de 20 milhões de habitantes tenta limitar os negócios, apesar de o país já sofrer bastante com a crise econômica mundial. Córdova insistiu que o México continua a receber turistas e fazer negócios com o resto do mundo, mas vários governos e entidades alertaram para que viagens não essenciais ao país fossem adiadas.

Acidente

As autoridades suíças reportaram hoje uma explosão em um container que transportava amostras do vírus da gripe suína. Elas afirmaram que o acidente, ocorrido ontem, não representa perigo à saúde pública. A polícia informou que duas pessoas sofreram ferimentos leves no acidente, ocorrido perto de Fribourg e Lausanne. Um empregado de um laboratório pegou amostras do vírus H1N1 em Zurique, para levá-las até Genebra. A causa provável do acidente foi o derretimento do gelo seco, colocado incorretamente perto do container, causando um aumento de pressão. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
gripe suínaMéxicomortes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.