Efe
Efe

México mata líder do Cartel de Sinaloa

Ignacio 'Nacho' Coronel é morto em troca de tiros durante operação do Exército

Efe,

30 de julho de 2010 | 06h23

MÉXICO - O Ministério da Defesa do México confirmou na quinta-feira, 29, a morte de Ignacio "Nacho" Coronel, um dos principais líderes do cartel do Sinaloa, em confronto com o exército mexicano no estado de Jalisco, oeste do país.

O general Edgar Luis Villegas explicou em entrevista coletiva que o exército realizou, na cidade de Guadalajara, capital de Jalisco, uma operação para apreender o narcotraficante, que tentou fugir e abriu fogo, matando um militar e ferindo outro. O exército reagiu e ele acabou morrendo.

Villegas afirmou ainda que o exército também deteve Iran Francisco Quiñónes Gastélum, homem de maior confiança de "Nacho".

A operação militar em um bairro de Guadalajara onde "Nacho" tinha duas casas que usava como base de operações, e onde os militares encontraram armamento, joias e veículos que ainda estão sendo contabilizados.

"Nacho", segundo a fonte, era um dos principais líderes do cartel das drogas de Sinaloa, organização que liderava junto a Joaquín "Chapo" Guzmán e Ismael Zambada, conhecido como "El Mayo".

Natural do estado de Durango, norte do país, iniciou suas atividades delitivas sob as ordens do narcotraficante Amado Carrillo Fuentes, conhecido como "O Senhor dos céus", um dos líderes mais poderosos do México, que morreu em 1997 durante cirurgia plástica.

Depois da morte de Carrillo, de acordo com dados da Secretaria (Ministério) da Defesa Nacional, "Nacho" se uniu à organização de "Chapo" e chegou a se tornar um dos principais líderes do Cartel de Sinaloa.

Por sua captura, o Governo mexicano oferecia 30 milhões de pesos (US$ 2,3 milhões), enquanto o dos Estados Unidos daria recompensa de US$ 5 milhões.

"Nacho" dirigia as operações de tráfico de cocaína nos estados de Jalisco, Colima, Nayari e parte de Michoacán,no litoral do pacífico.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.