Jorge Dan Lopez /Reuters
Jorge Dan Lopez /Reuters

México prende 'Brad Pitt', o traficante

Vice-líder de ala militar do cartel de Juárez é detido pela polícia no Estado de Chihuahua

AP e Reuters, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2011 | 00h00

Brad Pitt está preso. Não o ator de Hollywood, mas Marco Antonio Guzmán, um dos líderes do braço armado do cartel de Juárez, no México. Guzmán, que é conhecido por outros apelidos, entre eles "El Dos" (o número dois), foi detido pela polícia mexicana com dois cúmplices no Estado de Chihuahua,perto da fronteira com os EUA. Ele é suspeito de tráfico de drogas, homicídios, sequestro e de um atentado contra uma delegacia de polícia realizado em julho de 2010.

"Brad Pitt" foi apresentado ontem a jornalistas na Cidade do México. Segundo investigadores, ele era o segundo no comando da ala militar do cartel, conhecida como "La Linea". "Seus comparsas o chamam assim. Eles devem pensar que ele se parece com o Brad Pitt", disse um porta-voz da polícia.

Enquanto o ator americano é loiro e tem olhos azuis, o Brad Pitt mexicano tem a pele e cabelos morenos e olhos castanhos. O astro do cinema, dependendo do personagem que interpreta, também usa um cavanhaque.

Curiosamente, o verdadeiro Brad Pitt participou de um filme sobre gangues no México em 2001, chamado A Mexicana, ao lado de Julia Roberts. Na trama, ele era obrigado por mafiosos a roubar uma arma com poderes sobrenaturais de uma facção rival.

Alguns chefes do tráfico no México têm nomes de guerra inusitados. É o caso de Edgar Valdéz Villareal, conhecido como "La Barbie", preso no ano passado, e de Oscar Guerrero Silva, o "Ursinho Puff", morto em 2004.

A recompensa pela captura de "Brad Pitt" era de US$ 42 mil. Com ele foram presos Octavio Rodríguez Lugo, de 42 anos, e Dolores Ordaz Seañez, de 36.

O Estado de Chihuahua é um dos mais afetados pela violência ligada ao tráfico no México. Os cartéis de Juárez e Sinaloa disputam o controle da região. Em Ciudad Juárez, mais de 3 mil pessoas foram mortas em 2010.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.