México publica inquérito sobre Iguala

Após mais de um ano do desaparecimento dos 43 estudantes da Escola Normal Rural de Ayotzinapa, na cidade mexicana de Iguala, a Procuradoria-Geral publicou ontem o documento de sua investigação de mais de sete meses sobre o caso. O relatório, de 54 mil páginas e elaborado por cerca de 100 pessoas, é divulgado no momento em que parentes dos jovens cobram evolução das investigações.

Jéssica Otoboni, O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2015 | 02h04

Há um ano, o presidente Enrique Peña Nieto havia prometido que faria justiça com relação ao que é considerado um dos piores casos de violência do país, mas as investigações não seguiram o ritmo esperado. Para Erick Langer, diretor do Centro de Estudos Latino-Americanos na Universidade de Georgetown, o caso não evoluiu. "Quanto mais tempo leva, mais difícil fica para as pessoas entenderem o que realmente ocorreu", afirmou ao Estado.

Cobrança. Apesar da carência de respostas, parentes das vítimas não desistem de tentar descobrir seu paradeiro. No mês passado, pais e amigos dos jovens fizeram greve de fome por 43 horas pouco antes de serem recebidos por Peña Nieto.

Após o encontro, que contou com a presença da Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH), o presidente ordenou a criação de uma promotoria especializada em encontrar desaparecidos no país. "Há centenas de desaparecidos no México. Por isso, a criação da promotoria especializada é importante", avalia Langer. Parentes dos jovens, no entanto, pedem uma promotoria voltada unicamente para o caso dos 43.

De acordo com a versão da promotoria, os estudantes foram detidos por policiais corruptos de Iguala e entregues a membros do cartel Guerreros Unidos, conhecido por sua violência. "É difícil controlar a atividade do grupo. Eles são dezenas de gangues", diz Langer.

O Grupo Interdisciplinar de Especialistas Independentes (GIEI), que também investiga o caso, apresentará no dia 20 o relatório de "investigação e primeiras conclusões dos desaparecimentos e homicídios", questionando a versão oficial.

Na reunião, Peña Nieto também ordenou que equipes de busca retomassem os trabalhos, paralisados, segundo Langer, pois quando começou a procura por restos mortais, foram encontrados corpos de muitas outras pessoas. "É difícil encontrar vestígios dos jovens porque há inúmeros lugares para procurar e analisar. Isso está fora de controle. O governo perdeu o controle", afirma.

O governo de Peña Nieto tem sido marcado por um aumento no número de assassinatos. Quase 30 mil pessoas foram mortas durante os 20 primeiros meses de sua gestão.

Mais conteúdo sobre:
O Estado de S. Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.