México: Recontagem parcial dos votos não alterará resultado da eleição presidencial

Uma recontagem parcial dos votos das eleições presidenciais mexicanas não irá mudar a liderança obtida pelo candidato da situação na votação, realizada em 2 de julho, informou nesta segunda-feira a mais alta corte eleitoral do país. Os juízes, entretanto, evitaram declarar Felipe Calderón, do Partido da Ação Nacional (PAN), vencedor.O Tribunal Federal Eleitoral do México (Tepjf) anunciou ter anulado parte dos votos dos 375 pedidos de impugnação impetrados pela coalizão do oposicionista Andrés Manuel López Obrador. Ainda assim, Calderón manteve uma vantagem de 4 mil votos em relação ao concorrente - uma diferença que na primeira contagem estava em 240 mil sufrágios.O esquerdista Partido da Revolução Democrática (PRD), de López Obrador, imediatamente criticou a decisão. Em pronunciamento a centenas de partidários de López Obrador acampados na praça do Zolaco, no centro da capital mexicana, o porta-voz do partido, Gerardo Fernandez declarou: "Está evidente que o tribunal não está a altura da tarefa. Eles estão se preparando para impor o candidato da direita."De qualquer forma, os juízes evitaram anunciar uma decisão final. Caso opte por beneficiar o candidato da esquerda, o tribunal terá que anular a eleição como um todo. Os juízes tem até o dia 6 de setembro para anunciar um presidente eleito.Seja qual for, a decisão deve gerar polêmica. A corte anulou mais de 230 mil votos, fazendo com que o PAN perdesse 81,08 mil votos - a maior perda entre todos os partidos.O PRD argumenta que a campanha foi suja e que fraudes foram responsáveis pela pequena vantagem de Calderón. López Obrador e seus apoiadores já questionaram a capacidade do tribunal para resolver a disputa de maneira justa.Diante das acusações, vários juízes defenderam o trabalho da corte nesta segunda-feira, enquanto dezenas de manifestantes pró-Obrador protestavam diante dos portões do tribunalSegundo os magistrados, as anulações só foram feitas quando não estava claro em que partido o eleitor votou. Em 2 de julho, Calderón obteve 243 mil votos a mais do que López Obrador (uma vantagem de 0,6 ponto porcentual). O resultado foi anunciado pelo Comitê Federal Eleitoral, cujo presidente teve Calderón como padrinho de casamento. A coalizão de esquerda contestou os resultados e, desde então, centenas de milhares de manifestantes pró-López Obrador instalaram 47 acampamentos no centro da capital mexicana, pressionando pela anulação da eleição.Matéria atualizada às 21h09

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.