México sacrifica cerca de 8 milhões de aves infectadas com o vírus influenza

Também foram inspecionadas 342 fazendas em 19 estados; nelas foi detectado o vírus AH7N3

Agência EFE,

08 de agosto de 2012 | 00h33

MÉXICO - Cerca de oito milhões de aves do estado de Jalisco, no México, foram sacrificadas para frear a expansão do vírus da influenza. Nesta terça-feira, 7, o Serviço Nacional de Saúde, Inocuidade e Qualidade Agroalimentar (Senasica) informou em comunicado que até agora foram vacinadas 65,8 milhões de aves reprodutoras, de postura e desenvolvimento em 245 fazendas da região dos Altos de Jalisco.

 

O Senasica disse que nesta região, que abrange 42 municípios, o vírus está controlado, acrescentando que 87 especialistas sanitários estão trabalhando no local e que obtiveram cerca de 40.190 amostras de 401 fazendas. As autoridades afirmaram que a presença do vírus continua em 41 fazendas, enquanto o número de estabelecimentos livres da epidemia aumentou de 335 para 360.

 

O organismo explicou que quando se detectam galinhas doentes no processo de vacinação e análise, elas são eliminadas, por isso até agora oito milhões de aves foram sacrificadas. O Senasica informou que também foram revistadas 342 fazendas em 19 estados do país, nas quais não se detectou a presença do vírus AH7N3, de alta patogenicidade. As autoridades reiteraram seu pedido aos produtores para evitar mover as aves e os resíduos de zonas afetadas para áreas livres do vírus.

 

O Senasica insistiu que o vírus não representa nenhum risco para o consumo humano e que as medidas para erradicá-lo têm "como objetivo proteger a produção aviária na região", e anunciou que se fará uma avaliação do processo de vacinação para definir os próximos passos para eliminar a doença. No final de junho, autoridades mexicanas divulgaram a presença do vírus da gripe aviária no estado de Jalisco, estabelecendo medidas de emergência para conter sua expansão.

Tudo o que sabemos sobre:
Méxicoinfluenza H5N1gripe aviária

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.