México vai recontar cifra de desaparecidos na guerra às drogas

Segundo ministro do Interior, números de vítimas da violência estão exagerados

25 de maio de 2013 | 11h23

O México afirmou na sexta-feira, dia 24, que menos pessoas desapareceram na guerra às drogas do que mostram as estatísticas divulgadas no começo deste ano. O governo Enrique Peña Nieto contesta a atual contagem segundo a qual, entre 2006 e 2011, desapareceram 26.121 mexicanos em razão da violência ligada ao narcotráfico. 

O ministro do Interior, Miguel Angel Osorio Chong, comprometeu-se com a imprensa a divulgar, em até dois meses, “estatísticas com o número real de desaparecidos”.

Chong relatou várias irregularidades na contagem de vítimas. Em um Departamento (Estado) que não teve o nome divulgado, "de 900 supostos casos de desaparecimentos, 700 pessoas foram localizadas”, disse o ministro ao jornal El País.

Há casos de inclusão de pessoas mais de uma vez na lista com nomes diferentes. "Desaparecidos" também teriam retornado para casa, sem que família tenha cancelado a queixa de desaparecimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.