Mia Farrow documenta jejum por Darfur na web

Atriz faz greve de fome pelo YouTube e espera que outra celebridade tome o seu lugar no protesto

O Estado de S. Paulo,

08 de maio de 2009 | 07h39

A atriz americana Mia Farrow decidiu levar seu ativismo contra a crise humana em Darfur ao extremo ao documentar na internet sua greve de fome em solidariedade à população da região sudanesa. A atriz, que ficou famosa pelo papel em O Bebê de Rosemary e por sua agitada vida amorosa ' recheada de escândalos em seus relacionamentos com Frank Sinatra e Woody Allen', está há mais de dez dias sem comer, só tomando água, e registra todo o processo postando vídeos no YouTube.

 

Veja também:

especial Especial: O histórico de conflitos no Sudão

"Estou bem e nem estou sentindo fome", afirmou Mia, de 64 anos, que também é embaixadora da Unicef. "Um médico está vindo me examinar e eu estava pensando no sofrimento das pessoas de Darfur, que não têm médicos porque a ONG Médicos Sem Fronteiras foi expulsa." Em março, o presidente do Sudão, Omar al-Bashir, expulsou 16 agências humanitárias que atuavam em Darfur em resposta ao pedido de prisão emitido contra ele pelo Tribunal Penal Internacional.

O TPI indiciou Bashir por crimes de guerra e contra a humanidade pelo conflito na região, que deixou mais de 300 mil mortos desde 2003. Em Darfur, 4,7 milhões de pessoas recebem ajuda internacional. Para atendê-las, a ONU gasta anualmente US$ 2,1 bilhões. "Eu não posso imaginar, sendo mãe, como deve ser presenciar a morte de uma criança", disse Mia, que tem 14 filhos. "Como embaixadora da Unicef sei que as crianças com menos de 5 anos são as que morrem primeiro."

Mas o jejum da atriz não é indefinido e já tem data para terminar. Quando Mia completar 21 dias sem comer, ela deixará a greve e espera que outra celebridade tome seu lugar, formando uma rede de pessoas em jejum. Um dos objetivos do protesto é pressionar o governo do presidente dos EUA, Barack Obama, a tentar assegurar o retorno das ONGs a Darfur.

Antes de começar a greve, Mia fez uma dieta especial, rica em frutas e vegetais. Ela também pediu conselhos ao ilusionista David Blaine, que uma vez ficou 44 dias sem comer, confinado em um aquário suspenso sobre o Rio Tâmisa, em Londres. "Ele me explicou como me preparar", afirmou a atriz. "Ele disse que depois de seis dias eu não sentiria fome."

Um funcionário da Embaixada do Sudão em Londres agradeceu a Mia pela preocupação com o povo sudanês, mas ressaltou a inocência das celebridades. "Ela (Mia) é uma boa atriz e um bom ser humano, mas como política é apenas uma iniciante", afirmou a fonte. "Ela é como George Clooney, que também se envolveu na questão de Darfur: é bonito, mas ignorante ? assim como ela."

 

(Com The Guardian)

Tudo o que sabemos sobre:
DarfurSudão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.