Raedle/Getty Images/AFP
Raedle/Getty Images/AFP

Miami Beach decreta estado de emergência até meio de abril para conter turistas

Cidade impôs toque de recolher noturno nas ruas turísticas e ordenou o fechamento de pontes à noite

Redação, O Estado de S.Paulo

22 de março de 2021 | 14h54

MIAMI -A cidade de Miami Beach estendeu até abril o estado de emergência devido à multidão de turistas que comemoram o que chamam de fim da pandemia nos Estados Unidos em uma celebração caótica que já deixou mil presos nas últimas semanas. 

No domingo, 21, o administrador interino Raúl Aguila estendeu o estado de emergência até 13 de abril, quando terminam as férias de primavera, que todos os anos atraem milhares de estudantes à ilha na costa de Miami, no sul da Flórida.

Todos os anos as multidões que se reúnem na região são problemáticas, mas desta vez o problema parece ser muito maior do que o normal, algo que o prefeito de Miami Beach, Dan Gelber, atribui ao fato de os turistas que buscam fugir das restrições impostas pela pandemia não terem muitas outras opções. 

"Há poucos lugares abertos no resto do país, ou são muito frios, ou estão fechados e também são muito frios", disse o prefeito no sábado. Ele também citou preços dos hotéis e passagens aéreas, ambos reduzidos pela pandemia, e o fato de muitos virem de carro de estados vizinhos. "Estes não são nossos veranistas habituais", disse Aguila.

Vídeos e fotos nas redes sociais mostram mulheres seminuas rebolando nos tetos dos carros, homens oferecendo a elas maços de notas e uma multidão de turistas amontoados, dançando sobre os carros, passando garrafas de mão em mão; além de debandadas, brigas, tiros para o alto e confrontos com policiais.  

Desde 3 de fevereiro, 80 armas foram apreendidas, e mil prisões feitas - 350 delas por crimes graves. Por isso, no sábado, Águila impôs toque de recolher noturno nas ruas mais turísticas de South Beach, epicentro da festa em Miami Beach, e ordenou o fechamento das três pontes que ligam a ilha a Miami das 22h às 6h.

Essas medidas, que valem de quinta a segunda-feira, não são fáceis de implementar. Nas noites de sábado e domingo, circularam imagens de dezenas de carros da polícia tentando dispersar multidões de foliões, às vezes disparando spray de pimenta. A ilha de apenas 92 mil habitantes atrai 200 mil visitantes e trabalhadores todos os dias. 

Enquanto isso, as pontes - às quais apenas moradores, trabalhadores e hóspedes de hotel têm acesso à noite - registravam filas intermináveis, devido à lentidão dos controles. Alguns moradores demoraram horas para percorrer um trecho de 10 minutos.   / AFP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.