Carlos Barria/Reuters
Carlos Barria/Reuters

Miami inicia toque de recolher perante iminente chegada do Irma

As autoridades locais no sul da Flórida assinalaram que estarão vigilantes para decretar mais medidas de prevenção devido à iminência do Irma

O Estado de S.Paulo

09 Setembro 2017 | 21h41

MIAMI - Miami já está sob um toque de recolher que durará 12 horas, enquanto novas cidades e vários condados do sul da Flórida (EUA) tomaram medidas similares perante a iminente chegada do potente furacão Irma ao Estado, após sua passagem por Cuba.

Miami está sob essa restrição durante 12 horas a partir das 19h (horário local, 20h em Brasília) deste sábado, enquanto que o condado Miami-Dade decidiu não tomar essa medida por enquanto. Miami Beach ordenou a mesma restrição, mas para uma hora mais tarde que Miami.

"Quando os ventos chegam a 45 milhas por hora (72 km/h), os oficiais não responderão", advertiu Bárbara Sharief, prefeita do Condado de Broward, ao anunciar a medida.

As autoridades locais no sul da Flórida assinalaram que estarão vigilantes para decretar mais medidas de prevenção devido à iminência do Irma.

O potente furacão ameaça primeiro os cayos (ilhotas arenosas) da Flórida, onde as autoridades advertiram que não haverá nenhum lugar seguro, pelo que quem ficar, apesar da ordem de retirada, estará sob sua conta e risco, até que os serviços de emergência possam ir, que não será imediatamente.

Miami escapará muito provavelmente da passagem do olho do furacão devido a uma virada que ameaça agora a costa sudoeste da Flórida, o que obrigou as autoridades do Estado a ditar novas ordens de retirada.

As primeiras chuvas associadas ao furacão Irma chegaram hoje a Miami e, com elas, os primeiros cortes de luz, apesar de que os enormes ventos do furacão, de 133 milhas por hora, com sequências mais fortes, quase não são sentidos ainda na cidade.

O furacão caiu neste sábado para a categoria 3 após tocar terra na noite da sexta-feira na costa norte de Cuba, mas se fortalecerá de novo no seu caminho para a Flórida, segundo o Centro Nacional de Furacões (CNH, na sigla em inglês) dos EUA.

Até o meio-dia do sábado cerca de 6,3 milhões de habitantes da Flórida e da Geórgia tinham recebido a ordem de retirada, e mais de 54 mil estão nos 385 refúgios estabelecidos até agora. / EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.