Mianmar admite 38.500 mortos por passagem de ciclone

Governo afirma que são 27.838 desaparecidos; para Cruz Vermelha, Nargis matou entre 68.833 e 127.990 mortos

Efe,

15 de maio de 2008 | 04h02

A Junta Militar de Mianmar aumentou para quase 38.500 o número de vítimas mortais causadas pelo ciclone Nargis, mas algumas organizações internacionais temem que o número possa ser muito maior. O jornal oficial New Light of Mianmar, que o regime utiliza para divulgar suas mensagens, informou nesta quinta-feira, 15, de 38.491 mortos, quatro mil a mais que na véspera, e 27.838 desaparecidos. No entanto, a Federação Internacional da Cruz Vermelha anunciou que provavelmente existam entre 68.833 e 127.990 mortos, após compilar dados de 22 agências de ajuda humanitária e dos meios de imprensa. Por sua parte, o Escritório de Coordenação de Ajuda Humanitária fala de dois milhões e meio de atingidos. Enquanto isso, a Junta Militar continua sem atender aos pedidos da comunidade internacional, e sua última medida foi vetar a entrada nas zonas afetadas no delta do rio Irrawaddy, aos meios de imprensa e a qualquer cidadão estrangeiro. Além disso, o Governo exige que sejam seus próprios funcionários os encarregados de distribuir o material de emergência, o que desagrada as ONGs, que sabem que alguns soldados confiscam a metade de cada carga de ajuda.

Tudo o que sabemos sobre:
Mianmarciclone Nargis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.