Mianmar encerra toque de recolher e libera reuniões

Anúncio foi feito em carros de som pleas ruas de Rangum; EUA dizem que se trata de mau sinal

Associated Press,

20 de outubro de 2007 | 16h54

O governo militar de Mianmar suspendeu o toque de recolher e a proibição de reuniões públicas que vigoravam desde o mês passado, quando houve uma onda brutal de repressão a manifestantes que pediam democracia.   O relaxamento das restrições impostas em 25 de setembro foi anunciado a partir de carros de som do governo que percorrem as ruas da principal cidade do país, Rangum.   "O toque de recolher e a proibição de reuniões foram revogados, a partir de hoje, porque a segurança e a estabilidade melhoraram", dizia a mensagem emitida pelos alto-falantes dos veículos.   Não está claro se as restrições também estão suspensas em Mandalay, outra importante cidade birmanesa e foco das manifestações do mês passado.   A suspensão das medidas de exceção indica que a junta militar que governa o país acredita ter esmagado o movimento pró-democracia desencadeado em agosto, em meio ao furor por conta de uma alta nos preços de combustível.   Pequenos protestos rapidamente assumiram proporções de grandes manifestações, encabeçadas pelos respeitados monges budistas do país. Os atos públicos foram a maior demonstração pública de dissidência no país em mais de 20 anos.   Em Washington, o governo americano reagiu afirmando que o anúncio "é um mau sinal de que o regime agora se sente confiante de ter limpado os monastérios de dissidentes, seja por meio de prisões ou mandando-os de volta a suas vilas de origem, e de ter prendido todas as principais figuras das manifestações, forçando as que não foram capturadas a se esconder ou a partir para o exílio".

Tudo o que sabemos sobre:
mianmar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.