Mianmar liberta 20 prisioneiros políticos entre 8.500 soltos

A junta militar que governa Mianmarlibertou mais de 8.500 prisioneiros, entre eles 20 membros daoposição detidos durante ações repressivas em setembro apósmanifestações pró-democracia, afirmaram nesta terça-feira meiosde comunicação e integrantes da oposição. A libertação dos detentos, que começou no dia 16 denovembro e concluiu-se na segunda-feira, visava "incentivar asolidariedade nacional no país e a cooperação com entidadesinternacionais, como as Nações Unidas", disse o jornal NewLight of Myanmar. Entre os libertados estavam dez membros da Liga Nacionalpela Democracia (LND), de Aung San Suu Kyi, e dez integrantesde outros grupos oposicionistas, afirmou à Reuters U Nyan Win,porta-voz da LND. "Eles foram detidos nos protestos recentes", afirmou,referindo-se às manifestações de agosto e setembro contra umaumento acentuado do preço dos combustíveis e contra o governomilitar instalado no país há 45 anos. O chefe da polícia de Mianmar, Khin Yi, disse em umaentrevista coletiva realizada na segunda-feira que 2.927pessoas, entre as quais 596 monges, haviam sido detidas quandosoldados investiram contra as manifestações, as maiores deoposição à junta militar dos últimos 20 anos. Um total de 80 pessoas, entre as quais 21 monges, continuadetido à espera do resultado de investigações. (Por Aung Hla Tun)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.