Mianmar veta observadores internacionais nas eleições deste ano

Comissão Eleitoral diz que não há necessidade de observadores e que 'pleito será livre e justo'

EFE

12 Maio 2010 | 09h55

BANGCOC - A Junta Militar de Mianmar (antiga Birmânia) não permitirá a presença de observadores internacionais nas eleições gerais que planeja realizar no final de ano, informou nesta quarta-feira, 12, a imprensa oficial.

 

"Esses grupos não precisam vir (...) porque já foram feitas as preparações para que o pleito seja livre e justo", assegurou o presidente da comissão eleitoral birmanesa, Thein Soe, segundo o jornal "New Light of Mianmar".

 

Soe comunicou o veto aos observadores a Kurt Campbell, secretário de Estado adjunto americano para a Ásia Oriental e o Pacífico e quem visitou a princípios de semana o país.

 

O chefe da Comissão Eleitoral - cujos membros foram escolhidos a dedo pelo regime birmanês - indicou que cada candidato poderá deslocar aos centros de votação a um interventor e um ajudante, e

que a apuração dos sufrágios será público.

 

Durante sua estadia em Mianmar, Campbell se reuniu em Yangun com o Nobel da Paz Aung San Suu Kyi, líder da recém dissolvida Liga Nacional para a Democracia (LND) e sob prisão domiciliar desde 2003.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.