Michelle Bachelet chefiará nova agência da ONU para mulheres

Ex-presidente chilena foi nomeada por Ban Ki-moon para órgão de proteção à mulher.

Marcia Carmo, BBC

14 de setembro de 2010 | 21h09

A ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet, foi nomeada nesta terça-feira pelo secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, para o comando de uma nova agência das Nações Unidas dedicada especialmente à mulher, a ONU Mulher.

A meta do novo órgão é buscar a igualdade de gêneros e melhorar as condições das mulheres no mundo.

"Ela (Bachelet) aportará sua história de liderança dinâmica e global, habilidades políticas já mostradas e uma capacidade pouco comum para criar consenso", disse Ban, em anúncio feito em Nova York.

"Tenho confiança que, sob sua firme liderança, podemos melhorar as vidas de milhões de mulheres e meninas em todo o mundo."

Ban afirmou que vários governos e ONGs lhe enviaram uma lista com 26 nomes de mulheres que poderiam ocupar o posto. Desta lista, três ficaram entre as finalistas, incluindo Bachelet.

A decisão pela ex-presidente foi tomada de forma unânime após as entrevistas realizadas pelo organismo com as candidatas. Segundo ele, a primeira providência de Bachelet será colocar a agência em funcionamento.

Condições de vida

A agência, afirmou a imprensa chilena, será uma entidade equiparável ao Unicef (agência da ONU para a infância).

Ela reunirá os quatro órgãos já existentes no organismo para melhorar as condições de vida das mulheres - o Fundo da ONU para o Desenvolvimento da Mulher (Unifem), a Divisão da ONU para o Avanço da Mulher, o Instituto Internacional de Pesquisas e Capacitação para a Promoção da Mulher (Instraw, na sigla em inglês) e o Escritório do Assessor Especial para Assuntos do Gênero (Osagi, na sigla em inglês).

Bachelet, que deverá se mudar para Nova York, foi presidente do Chile durante quatro anos e passou a faixa presidencial para seu sucessor, Sebastián Piñera, em março passado, com altos índices de popularidade.

Em uma coletiva em Santiago, a ex-presidente disse que a decisão de aceitar o cargo "foi difícil", mas que acabou aceitando porque não poderia recusar um "emprego tão maravilhoso".

"Eu pensei por muito tempo, mas no final aceitei porque eu sabia que o trabalho combina com toda a minha história pessoal."BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.