Michelle Obama apoia liberdade de expressão na China

A primeira-dama dos EUA, Michelle Obama, disse neste sábado a estudantes na China, que impõe fortes restrições ao uso da internet, que a liberdade de expressão e o acesso irrestrito à informação tornam os países mais fortes e deveriam ser direitos universais.

Agência Estado

22 de março de 2014 | 12h10

Michelle falou na Universidade de Pequim, na capital chinesa, durante visita de uma semana ao país com o objetivo de promover o intercâmbio educacional entre norte-americanos e chineses.

A viagem acabou ganhando um tom também levemente político após Michelle ter sido recebida ontem para um encontro não previsto com o presidente da China, Xi Jinping.

No evento com estudantes chineses, Michelle defendeu que o livre fluxo de informações é crucial "porque é assim que descobrimos a verdade, é assim que sabemos o que realmente está acontecendo em nossas comunidades, nosso país e nosso mundo".

"E é assim que decidimos quais valores e ideias consideramos ser as melhores - questionando e debatendo com vigor, ouvindo todos os lados de cada debate e chegando a uma conclusão por contra própria", acrescentou a primeira-dama.

Atualmente, a China bloqueia vários sites estrangeiros de notícias e de redes sociais, como Facebook, Twitter e YouTube. Pequim conta com uma ampla equipe de censores que filtram informações consideradas ofensivas pelo governo e impedem dissidentes de se manifestarem. Fonte: Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
ChinaMichelle Obamavisita

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.