Michelle Obama condena sequestro na Nigéria

Primeira-dama disse que grupo terrorista quis impedir que as meninas tivessem acesso à educação

AE, Agência Estado

10 Maio 2014 | 11h13

A primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, criticou neste sábado, 10, o sequestro de dezenas de estudantes nigerianas e classificou o ocorrido como um "ato injusto" cometido por um grupo terrorista que estava "determinado em impedir que as garotas tivessem acesso à educação".

Em uma situação pouco usual, Michelle substituiu o seu marido, Barack Obama, no pronunciamento semanal para rádio e internet da presidência dos EUA e reiterou a sua condenação aos atos do grupo terrorista Boko Haram, que sequestrou mais de duzentas estudantes adolescentes em 15 de abril. A primeira-dama disse que ela e o marido estão "indignados e com o coração partido" com o caso.

"Em cada uma dessas meninas, Barack e eu vemos as nossas próprias filhas", disse Michelle, referindo-se a Malia, de 15 anos, e Sasha, de 12. "Vemos as suas esperanças e seus sonhos, e só podemos imaginar a angústia que os seus pais estão sentindo agora." (Fonte: Associated Press).

Mais conteúdo sobre:
Michelle Obama Nigéria sequestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.