Arquivo AE
Arquivo AE

Michelle Obama estreia em lista das mais poderosas da 'Forbes'

A primeira-dama ficou em 40º; a chanceler alemã Angela Merkel ficou em 1° lugar pelo quarto ano seguido

AE-DJ e BBC,

19 de agosto de 2009 | 20h13

A primeira-dama dos Estados Unidos, Michelle Obama, entrou pela primeira vez na lista das 100 mulheres mais poderosas do mundo, elaborada pela revista americana Forbes. Michelle ocupa o 40º lugar da lista, à frente da Rainha Elizabeth 2ª (42º) e da apresentadora americana Oprah Winfrey (41º) . O ranking é liderado pela chanceler alemã, Angela Merkel, que aparece no topo da lista pela quarta vez. Ela é seguida de Sheila Bair, presidente da Corporação Federal de Seguros de Depósito (FDIC, em inglês), um dos principais organismos financeiros dos Estados Unidos. A secretária de Estado norte-americana Hillary Rodham Clinton ficou com a 36ª colocação.

 

Em segundo lugar ficou a presidente da Corporação Federal de Seguros e Depósitos (FDIC, pela sigla em inglês), Sheila Bair, que faz parte do grupo que tem tratado da crise financeira norte-americana.

 

Indra Nooyi, presidente da PepsiCo Inc. e Cynthia Carroll, CEO da Anglo American PLC estão no 3º e 4º lugares, respectivamente, seguidas pela primeira-dama de Cingapura, Ho Ching, executiva chefe do fundo soberano do país, o Temasek Holdings.

 

A apresentadora de televisão Oprah Winfrey aparece na 41ª colocação e Melinda Gates, que se decida a causas humanitárias, está na 34ª posição. A rainha Elizabeth II ficou com a posição 42 e a presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, na 35ª.

 

Apareceram pela primeira vez na lista a Secretária de Saúde Kathleen Sebelius na 56º posição e recém empossada juíza da Suprema Corte, Sonia Sotomayor (54ª posição), além da Secretária de Segurança Interna, Janet Napolitano (posição 51). A presidente da Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC, pela sigla em inglês) aparece na 55ª posição. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.