REUTERS/Kacper Pempel
REUTERS/Kacper Pempel

Microsoft diz que hackers do Irã tentaram invadir contas de políticos dos EUA

Durante um mês, o centro de cibersegurança da Microsoft observou mais de 2.700 tentativas do grupo de identificar e-mails de usuários da empresa

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2019 | 20h27

SÃO FRANCISCO - Um grupo de hackers ligado ao governo iraniano tentou invadir e-mails de uma equipe de campanha, de funcionários do governo e de jornalistas nos EUA entre agosto e setembro passados, revelou nesta sexta-feira, 4, a Microsoft. 

Durante um mês, o centro de cibersegurança da Microsoft observou mais de 2.700 tentativas do grupo de identificar e-mails de usuários da empresa e "em seguida atacar 241 destas contas", informou Tom Burt, vice-presidente encarregado de segurança e confiança dos consumidores.

As contas atacadas estão associadas a uma "equipe de campanha presidencial americana, funcionários atuais ou passados do governo, jornalistas que cobrem política internacional e personalidades iranianas que vivem fora" do Irã.

Apenas os dados de quatro contas foram expostos, nenhuma delas ligada à equipe de campanha ou a funcionários do governo, destacou a Microsoft.

Teerã e Washington não mantêm boas relações desde que os Estados Unidos se retiraram unilateralmente, em maio de 2018, do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano firmado em 2015, restabelecendo as sanções econômicas contra a República Islâmica.

Especialistas em ameaça digital da Microsoft destacaram que apesar dos ataques não serem "tecnicamente sofisticados", este grupo de hackers estava "extremamente motivado" e "capaz de investir recursos significativos" para atingir seus objetivos.

Os hackers buscaram e encontraram dados pessoais (como e-mails) para tratar de obter outros, mais confidenciais.

Relembre: Hillary atribui derrota nas eleições à ação de Moscou

Microsoft destacou que revelou os ataques em um esforço de transparência sobre "as tentativas de se perturbar os processos democráticos" e também para "alentar os usuários a ter mais cuidado" contra este tipo de risco.

As grandes plataformas da internet, especialistas em cibersegurança e as autoridades americanas estão em alerta sobre a eleição presidencial americana de novembro de 2020, para evitar a repetição do escândalo de 2016, quando a Rússia teria manipulado a opinião pública.

No início do ano, o Facebook fechou mais de 2.600 contas falsas vinculadas a Irã, Rússia, Macedônia e Kosovo, que buscavam influenciar a opinião pública de diferentes países. /AFP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.