Mídia espanhola pede "cautela" com relação ao cessar-fogo do ETA

O cessar-fogo anunciado na quarta-feira pelo grupo nacionalista basco ETA é o principal assunto do dia nos jornais espanhóis desta quinta-feira. O diário El País diz em seu editorial que ?o cessar-fogo permanente do ETA é uma oportunidade inédita? e que seria ?irresponsabilidade não tentar aproveitá-la?. Para o jornal, a novidade não foi o anúncio em si, mas o fato de ele ter acontecido após ?um período prolongado, de quase três anos, sem atentados mortais?. O diário considera, porém, que ?a experiência obriga extremar a cautela?. ?Antes de dar qualquer passo será preciso verificar se é um compromisso firme de renúncia definitiva à violência, incluindo o recurso à extorsão e a outras formas de coação?, diz o editorial. Uma reportagem do jornal ABC, por sua vez, lembra que o comunicado dos líderes do ETA aconteceu apenas um dia após a comissão constitucional do congresso espanhol ter reconhecido a Catalunha - outra região espanhola com aspirações nacionalistas - como uma ?nação?. Em seu editorial, o ABC diz que ?os sucessivos governos democráticos, apoiados por uma opinião pública espanhola resistente ao sofrimento e por um heróico setor constitucionalista no País Basco, são os detentores do mérito de terem derrotado o ETA até o ponto de alcançar uma situação como a anunciada ontem pelo grupo?. O jornal pede cautela, porém, uma vez que o anúncio de cessar-fogo não incluiu ?o abandono das armas, somente uma suspensão de suas atividades criminosas?. O editorial lembra ainda que as manifestações populares pedindo que o governo não negocie com o ETA devem ser levadas em consideração e que ?a paz não tem preço político?. "Preocupação" O também espanhol El Mundo diz que o comunicado do ETA ?inspira mais preocupação que esperança? e não fala de ?nada sobre o que o Estado possa negociar?, levando ao questionamento sobre as razões do grupo para declarar um cessar-fogo. O jornal diz em seu editorial que ?pela primeira vez em décadas, existe o risco de que quem representa o Estado esteja disposto a realizar concessões políticas ao ETA?. O editorial pede ainda que os processos judiciais contra o grupo não sejam relaxados e que a oposição apóie o governo no processo de paz. O diário La Razón, de Madri, diz que o ETA ?pede um tempo, encurralado pelo Estado de direito, mas ainda não se rendeu?. Para o jornal, o anúncio deve ser recebido como ?a promessa de uma organização que assassinou mais de 800 pessoas nos últimos 40 anos e não cumpriu suas promessas em várias ocasiões?. O catalão La Vanguardia diz que o anúncio do grupo basco pode ser ?o princípio do fim?, mas deve trazer ?cautela e esperança?. O basco Gara, por sua vez, diz que o anúncio ?não significa o fim de um caminho, como alguns pretendem fazer acreditar em função de seus próprios interesses, mas exatamente o oposto, o início da partida se utilizarmos uma metáfora esportiva?.

Agencia Estado,

23 Março 2006 | 09h35

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.