Rick BAJORNAS / UNITED NATIONS / AFP
Rick BAJORNAS / UNITED NATIONS / AFP

Mídia internacional repercute discurso de Bolsonaro na Assembleia-Geral da ONU

Pandemia, incêndios florestais e 'cristofobia' foram temas tratados pelo presidente no discurso

Renato Vasconcelos e Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2020 | 12h48
Atualizado 22 de setembro de 2020 | 18h06

O discurso do presidente Jair Bolsonaro na abertura da Assembleia-Geral das Nações Unidas (ONU), na manhã desta terça-feira, 22, teve rápida repercussão na imprensa internacional. Agências de notícias e jornais de diferentes países destacaram as falas do presidente brasileiro sobre a pandemia e as queimadas no País.

Esse foi o segundo discurso do presidente brasileiro na tribuna das Nações Unidas. Jair Bolsonaro enfatizou que o Brasil é vítima de "interesses escusos" em uma campanha internacional para prejudicar a imagem do País. 

A agência de notícias francesa AFP deu destaque à fala do presidente sobre uma "campanha de desinformação" sobre as queimadas na Amazônia e no Pantanal. Os franceses citaram a fala do presidente sobre a causa do incêndio.

"Nossa floresta é úmida e não permite a propagação do fogo em seu interior. Os incêndios acontecem praticamente, nos mesmos lugares, no entorno leste da Floresta, onde o caboclo e o índio queimam seus roçados em busca de sua sobrevivência, em áreas já desmatadas".

Já a agência norte-americana Associated Press deu destaque às críticas do presidente ao que chamou de "politização do coronavírus". "Como ocorre no resto do mundo, parte da imprensa brasileira politizou o vírus, semeando o pânico entra a população. Com o lema 'fique em casa', 'a economia vemos depois' quase provocaram um caos social no país". 

O diário britânico The Guardian relatou as falas de Bolsonaro em sua cobertura em tempo real da Assembleia-Geral. Escreveu que o presidente brasileiro elogiou o agronegócio brasileiro e os caminhoneiros - dois importantes grupos de apoio.  “O homem no campo não parou nunca”, disse ele, culpando a desinformação pelas más notícias sobre os incêndios na Amazônia e no Pantanal.

O The Guardian traz dados para rebater as informações do presidente. "Na verdade, o Pantanal, a maior área úmida do mundo, está enfrentando a maior devastação de sua história. A área queimada este ano é equivalente ao tamanho do Estado de Israel - 3 milhões de hectares ou 20% de todo o bioma". 

Para Entender

Aos 75 anos, ONU enfrenta desconfiança, ataques populistas e incertezas

Sistema das Nações Unidas completa 75 anos em meio à pandemia de covid-19 e busca fortalecer agenda global baseada na cooperação internacional e desenvolvimento sustentável

Ao enaltecer sua resposta à pandemia, Bolsonaro não mencionou as 137 mil mortes nem o fato de o Brasil ser um dos três países mais afetados pelo vírus no planeta. 

O jornal argentino Clarín também destacou que o presidente defendeu suas políticas para o meio ambiente e afirmou que o governo tem sido vítima de uma "campanha brutal de desinformação". 

Os argentinos destacaram que o Brasil desponta como o maior produtor mundial de alimentos e que por isso haveria interesse em prejudicar a imagem da nação. O diário traz dados oficiais mostrando a devastação na Amazônia e no Pantanal. 

O jornal português O Público destacou que Bolsonaro culpou os índios pelos incêndios na Amazônia. 

"Nos últimos meses, a região do Pantanal tem sido dizimada por fortes incêndios, pondo em causa não só a fauna e a flora única deste bioma, mas também a sobrevivência dos povos indígenas locais. No entanto, Bolsonaro apontou precisamente o dedo aos índios e aos “caboclos” pelos incêndios justificados pela “busca da sobrevivência”, sem fornecer qualquer prova desta acusação", escreveu o jornal. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.