Aris Oikonomou / AFP
Aris Oikonomou / AFP

Migração da Venezuela vai custar 0,41% do PIB à Colômbia, mas pode gerar crescimento

Governo terá que investir para acomodar os quase 3 mil venezuelanos que chegam ao país diariamente, mas legalização de imigrantes pode fazer o país crescer a médio e longo prazo, aponta Banco Mundial

O Estado de S.Paulo

02 Novembro 2018 | 19h14

BOGOTÁ – A imigração venezuelana pode custar caro para a Colômbia nos próximos anos. Segundo um relatório divulgado pelo Banco Mundial nesta sexta-feira, 2, o governo colombiano terá que destinar entre 0,23% e 0,41% de seu PIB para atender aos mais de 1 milhão de venezuelanos que cruzam a fronteira para fugir da crise econômica e social que assola o país. Porém, a médio e longo prazos, o êxodo deve gerar crescimento. 

“Apesar dos impactos negativos de curto prazo, as evidências sugerem que, se decisões políticas adequadas forem tomadas, a migração tem o potencial de gerar crescimento na Colômbia”, afirma o relatório, apresentado em Bogotá e intitulado "Migração da Venezuela à Colômbia: impactos e estratégia de resposta em curto e médio prazo". 

A projeção é que a legalização dos migrantes,  muitos dos quais atravessam a fronteira sem visto ou permissão, fará com que encontrem emprego formal e aumentem a receita de impostos e o consumo do país, aponta o documento. Simualações analisadas pelo Banco Mundial apontam que, se migrarem meio milhão de pessoas em idade ativa para a Colômbia, o crescimento econômico se aceleraria 0,2 ponto percentual.

"Apesar dos impactos negativos de curto prazo, as evidências sugerem que, se decisões políticas adequadas forem tomadas, a migração tem o potencial de gerar crescimento na Colômbia”, segue o relatório.

No entanto, isso vai demorar a ocorrer e exigirá investimentos do governo. Primeiro, o governo terá que abrir os cofrer para proporcionar aos migrantes acesso a assistência médica, serviços públicos e educação, e melhorar a qualidade desses serviços, além de combater as "vulnerabilidades" que a migração gera

Crise faz venezuelanos deixarem o país

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 2 milhões de venezuelanos deixaram o país em meio à escassez de alimentos e remédios e a profundas divisões políticas. Metade desse número rumou para a Colômbia.

Dos 1,03 milhão de venezuelanos que moram no país vizinho, mais de meio milhão têm vistos ou outras permissões legais, enquanto 240 mil estão em processo de adquirir permissão temporária. Os outros 217 mil não têm autorização ou visto para ficar no país. E a estimativa é que cerca de 3 mil novos imigrantes chegam à Colômbia a cada dia.

A expectativa é que até 2021 mais de 4 milhões de venezuelanos estejam vivendo na Colômbia, o que custaria cerca de 9 bilhões de dólares a mais ao governo colombiano, que já tem recebido ajuda financeira das Nações Unidas, União Europeia e Estados Unidos para lidar com este fluxo.  

Nicolas Maduro e a cúpula do Partido Socialista da Venezuela negam as estatísticas e as acusam de "notícias falsas" para justificar a intervenção estrangeira em assuntos nacionais. Já o presidente da Colômbia, Ivan Duque, vê Nicolas Maduro como ditador e prometeu continuar recebendo os imigrantes. / AFP e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.