EFE/Alejandro Ernesto
EFE/Alejandro Ernesto
Imagem Helio Gurovitz
Colunista
Helio Gurovitz
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Miguel Díaz-Canel e a censura digital em Cuba

O Observatório Aberto de Interferência na Rede constatou, em agosto, o bloqueio de 41 sites, entre eles jornais independentes, o blog da jornalista Yoani Sánchez e os principais grupos de defesa dos direitos humanos

Helio Gurovitz, O Estado de S.Paulo

22 de abril de 2018 | 03h00

Só 32,5% da população de Cuba tem acesso à internet. Havia, em março, pouco mais de 27 mil conexões domésticas. O plano de expansão da estatal Etecsa prevê apenas 52 mil, para uma população estimada em 11,5 milhões. A maior parte dos cubanos entra na rede nos 421 locais públicos onde o acesso é caro – e censurado. É ambígua a posição do sucessor de Raúl Castro, Miguel Díaz-Canel, a respeito do assunto. Ele já prometeu acesso barato a toda a população e defendeu, em 2013, um grupo de estudantes cujo blog, Lajovencuba, fora proibido pela Universidade de Matanzas. Numa reunião fechada, em fevereiro de 2017, contudo, afirmou que mandaria fechar sites anticastristas.

+ Na transição de Cuba, onde estão os filhos de Fidel e Raúl Castro?

+ Americanos e cubanos continuarão sendo inimigos cordiais

O Observatório Aberto de Interferência na Rede (Ooni, na sigla em inglês) constatou, em agosto, o bloqueio de 41 sites, entre eles jornais independentes, o blog da jornalista Yoani Sánchez, o movimento Damas de Branco (grupo de mulheres de dissidentes), a Freedom House (que monitora a liberdade de imprensa) e os principais grupos de defesa dos direitos humanos. Das ferramentas de comunicação, apenas o Skype estava bloqueado. A fabricante chinesa de equipamentos Huawei fornece à estatal Etecsa a tecnologia de conexão à rede. “Não está claro até que ponto o equipamento chinês é usado para implementar a censura da internet”, diz o Ooni. Mas todos portais e softwares de acesso foram desenvolvidos por chineses, que deixaram rastros no código dos programas.

+ Díaz-Canel recebe presidência de Cuba e promessa de poder pleno em 2021

+ EUA criticam 'transição antidemocrática' em Cuba e pedem mais liberdade

Direitos humanos

A herança maldita do castrismo

O Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas deverá reavaliar em maio a situação cubana. De acordo com a Comissão Cubana para Reconciliação Nacional, a quantidade de detenções arbitrárias explodiu entre 2010 e 2016 – de 172 para 827 ao mês, em média. Em 2017, houve queda de quase 50%, entre janeiro e outubro. As mortes comprovadamente atribuídas ao castrismo chegaram a 7.539 em março, diz um levantamento do projeto Cuba Archive.

Risco

Ameaça ao Facebook está na Europa

A maior ameaça ao modelo de negócio do Facebook não está no Congresso americano, onde Mark Zuckerberg prestou quase dez horas de depoimento. Está na União Europeia, onde a Regulação Geral de Proteção de Dados (GDPR) entrará em vigor no mês que vem. Pelas novas regras, cidadãos podem obter todos os dados em poder das empresas digitais e até exigir que elas apaguem tudo. Violações à privacidade devem ser informadas em 72 horas. Como reação, o Facebook retirou da Irlanda a gestão de seus termos de serviço, para que o 1,5 bilhão de usuários não europeus não estejam cobertos pela GDPR.

Tecnologia

Google libera app

O Google liberou ao público o aplicativo Grasshopper, espécie de jogo que ensina a adultos os fundamentos básicos da programação. O jogador precisa digitar linhas corretas de código para acumular pontos e vai, aos poucos, aprendendo os rudimentos da linguagem Javascript, uma das mais usadas em páginas da internet.

Futuro

Em defesa do ideário liberal

A revista Economist lançou o projeto Open Future, em defesa do ideário liberal, ameaçado pelo populismo. Em debates, podcasts, vídeos e eventos, os temas serão: futuro do capitalismo, liberdade de expressão, diversidade, políticas identitárias, imigração e tecnologia.

Israel

Nova biografia irrita Netanyahu

A nova biografia de Bibi Netanyahu, escrita por Anshel Pfeffer, diz que a prioridade do premiê de Israel não é a paz com os palestinos, mas a ameaça do Irã. Também revela seu desdém pelos judeus da diáspora, em especial liberais e progressistas. Sem ser religioso, diz Pfeffer, ele transformou a narrativa bíblica de ortodoxos e colonos em sua principal plataforma política. Bibi não quis falar com Pfeffer. Parece que não leu, mas já detestou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.