AP Photo/Andrew Harnik, Pool
AP Photo/Andrew Harnik, Pool

Mike Pompeo chega a Pyongyang para tratar de desnuclearização

Visita ocorre pouco depois de serem publicadas informações sobre o enriquecimento de urânio por Pyongyang e da tentativa norte-coreana de ocultar boa parte do seu arsenal e reservas

O Estado de S.Paulo

06 Julho 2018 | 04h07

SEUL - O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, chegou nesta sexta-feira, 6, em Pyongyang, onde deve se reunir com o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, e começar a tratar os primeiros detalhes sobre a desnuclearização do regime.

Pompeo desembarcou no Aeroporto Internacional de Sunan após fazer uma escala na base americana de Yokosuka (Japão), informaram os veículos de imprensa americanos que viajam com ele. Durante sua visita de dois dias, o chefe da diplomacia americana poderia apresentar aos norte-coreanos as primeiras sugestões sobre prazos e metodologia para o desmantelamento de seu programa nuclear.

Kim e o presidente dos EUA, Donald Trump, assinaram em Cingapura, no dia 12 de junho, uma declaração onde o regime norte-coreano se comprometeu em trabalhar pela "desnuclearização total" se Washington garantir sua sobrevivência, embora no documento não apresente mais detalhes.

As reuniões que Pompeo realizará com autoridades norte-coreanas serão as primeiras conversas de alto nível desde a cúpula de Cingapura.

+ EUA dizem que suspensão de manobras é uma chance para dialogar com Pyongyang

O próprio secretário de Estado escreveu no Twitter antes de aterrissar que espera "continuar trabalhando para a desnuclearização definitiva e total" do regime de Pyongyang.

Pompeo chega à Coreia do Norte pouco depois de informações publicadas nos EUA, citando fontes da Inteligência nacional, que asseguram que Pyongyang não apenas seguiu enriquecendo urânio desde a cúpula de Cingapura, mas que estaria tentando ocultar boa parte do seu arsenal e reservas.

+ EUA querem Kim sem maior parte de arsenal até 2020

A visita de Pompeo é considerada um primeiro teste para medir o verdadeiro alcance dos planos de desarmamento expressos pelo regime este ano. /EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.