Mike Tyson cogita ser embaixador do boxe na China

O pugilista observará uma série de combates na cidade de Tianjin

Efe,

15 de outubro de 2010 | 04h30

O pugilista americano Mike Tyson cogita se tornar em breve embaixador do boxe na China, embora reconheça não saber qual é a função de um.

"A verdade é que nem sequer sei o que faz um embaixador", declarou Tyson na quinta-feira,14. "Quando penso em embaixadores, o que me vem à mente é gente que vive do dinheiro do governo e caras 'jet-set' (que andam de jato) que saem com suas namoradas".

No caso dele, o cargo de embaixador do boxe não seria pago pelo governo americano, mas por uma empresa chinesa interessada no ex-astro dos ringues. Também não haverá namoradas, sobretudo considerando que sua esposa dará à luz no ano que vem. Mas talvez o mais significativo é que ainda não haja uma agenda formal da visita à China em dezembro.

"Sei que ele quer ver o corpo de Mao (Tsé-Tung)", comentou Gary Yang, executivo da empresa chinesa Tianjin International Sports Development.

Yang e seu sócio, Qing Yu, anunciaram na quinta-feira, em entrevista coletiva, o acordo para a visita de Tyson ao país para que observe pugilistas em uma série de combates na cidade de Tianjin. Mas Tyson não estava de todo inteirado dos planos e no que significará sua missão e trabalho.

"Mike ainda não está bem por dentro", admitiu o promotor Sterling McPherson. "Mas se Mike gostar do que ver ai, certamente haverão mais viagens à China".

Tudo o que sabemos sobre:
Mike TysonEmbaixadorTianjinChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.