Milhares assistem à missa do papa na Baviera

O papa Bento XVI fez um alerta para que as sociedades modernas não permitam que a confiança na ciência e na tecnologia as tornem surdas para a mensagem de Deus, e sugeriu que a Ásia e a África poderiam ensinar algo sobre fé ao Ocidente. Em sermão para cerca de 250.000 peregrinos numa missa a céu aberto, Bento disse que os povos modernos sofrem de "ouvido duro" quando se trata de Deus."Simplificando, não somos mais capazes de ouvir Deus - há muitas freqüências diferentes enchendo nossos ouvidos", disse ele. "O que se fala sobre Deus nos parece pré-científico, inadequado para nossa era". "Os povos da Ásia e da África admiram nosso progresso técnico e científico, mas ao mesmo tempo assustam-se com uma forma de racionalidade que exclui totalmente Deus da visão do homem, como se esta fosse a mais alta forma de razão".Bento, no segundo dia de uma viagem a sua terra natal, a Baviera, passeou de papamóvel e fez a missa no alto de uma plataforma num campo nos arredores de Munique, onde serviu como arcebispo entre 1977 e 1982.A necessidade de levar o Ocidente de volta a suas raízes cristãs é um dos temas favoritos de Bento, e ele vem repetindo o mote durante sua visita a seu país - lar de uma Igreja Católica liberal e que encolhe, numa sociedade altamente secularizada. Cerca de 100.000 católicos abandonam a Igreja na Alemanha a cada ano, e apenas 14% dos católicos vão à missa aos domingos.O papa repreendeu a Igreja alemã por colocar questões sociais e de ajuda aos pobres à frente da disseminação da fé. Ele disse que a fé deve vir primeiro, antes que se possa fazer progresso nas questões sociais, como a epidemia de aids na África. "É preciso converter corações se quisermos fazer progresso", declarou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.