Milhares assistem a primeira execução segundo lei islâmica na Somália

Um pelotão de fuzilamento matou nesta sexta-feira um assassino somali na primeira execução pública desde que os fundamentalistas islâmicos tomaram o controle da capital e de grande parte do sul da Somália em julho. Estima-se que entre quatro e seis mil pessoas assistiram ao ato.Abdiqadir Mohammed Diriye, em seus 20 anos, foi sentenciado à morte pelo assassinato de um empresário em uma disputa por um telefone celular, segundo fontes forenses. "Advertimos a todos os que cometerem crimes que serão castigados segundo a lei ´sharia´ islâmica", disse à Associated Press o porta-voz do grupo islâmico, Abdirahim Ali Mudey. "A execução de hoje foi uma mensagem".A execução ocorre ao mesmo tempo em que há uma escalada na violência extremista na Somália após mais de 15 anos de anarquia.Uma religiosa católica foi morta a tiros no domingo em um ataque supostamente vinculado à indignação no mundo muçulmano por uma declaração do papa Bento XVI sobre o Islã.Na segunda-feira houve uma tentativa de assassinato contra o presidente no primeiro ataque suicida ocorrido na Somália. O presidente saiu ileso, mas 11 pessoas - incluindo o irmão do mandatário - morreram no ataque.Os líderes islâmicos negam toda responsabilidade pelo atentado e pelo assassinato da religiosa.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.