Brendan McDermid / Reuters
Brendan McDermid / Reuters

Milhares de abelhas invadem a Times Square, em Nova York, e assustam pedestres

Incidente durou cerca de uma hora até que a equipe de apicultores da polícia usou um aspirador para remover os insetos e soltá-los de forma segura em outro local

O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2018 | 06h44

NOVA YORK, EUA - Milhares de abelhas invadiram parte da Times Square, em Nova York, na tarde de terça-feira, 28, e fizeram com que diversos pedestres “lutassem” com elas para caminhar pelo local. 

O enxame chamou atenção por se concentrar no carrinho de um vendedor de cachorro-quente na rua 43. A massa de insetos eram tão grande que acabou fazendo peso no guarda-sol do comerciante. O incidente durou cerca de uma hora, até que a equipe de apicultura da polícia de Nova York chegou ao local e usou um aspirador para remover as abelhas e soltá-las de forma segura em uma outra área.

Durante o tempo em que voaram na região, as abelhas chamaram a atenção de centenas de pessoas. Walid Elfaramawy, de 38 anos, que trabalha há uma década em um food truck em frente ao local onde as abelhas pousaram, disse que nunca viu algo parecido na Times Square. Ele contou que o enxame surgiu de um terreno em construção na rua 43 com a Broadway, e depois foi para o guarda-sol do comerciante.

Apesar de curioso, incidentes como este são tão comuns que os agentes mantêm até mesmo uma conta verificada no Twitter em nome da equipe de apicultura da polícia.

Andrew Coté, um apicultor do centro da cidade que presenciou o ocorrido, estimou que houvesse no local entre 15 mil e 20 mil abelhas. “Você tem de contar as patas e dividir por seis”, brincou.

Segundo Coté, na maioria dos casos, esses insetos surgem de colmeias que alguns nova-iorquinos mantêm nos telhados. “Há colmeias a cerca de um quarteirão daqui. Na verdade, há pelo menos uma dúzia de delas a um quarteirão daqui.”

A apicultura urbana vem crescendo nos últimos anos e a Associação de Apicultores da Cidade de Nova York mantém o controle deles, que são obrigados legalmente a registrar suas colmeias.

Alguns hotéis da cidade usam colônias para produzir mel para coquetéis, e as colmeias ajudam na polinização das flores dos parques da região. É normal que as abelhas viagem, algumas vezes até 5 km, para manter os espaços verdes. “Não é que elas escaparam. Elas são livres para ir”, explicou Coté. 

Incidentes como o de terça-feira são normalmente atribuídos a apicultores desleixados, segundo ele, que acrescentou que manter apicultores ineptos responsáveis por enxames é quase impossível. 

As nuvens de abelhas normalmente são limitadas aos meses da primavera, mas um tempo excepcionalmente quente pode inspirar a abelha-rainha a abandonar sua colmeia e levar milhares de seus operários com ela, disse Coté. “Acho que elas queriam um cachorro-quente”, brincou ele. / NYT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.