Milhares de curdos entram em choque com Polícia na Turquia

Minoria reivindica oficialização de seu idioma nos tribunais turcos

Efe

13 de janeiro de 2011 | 19h12

ANCARA - Milhares de manifestantes curdos se enfrentaram nesta quinta-feira, 13, com a Polícia turca em vários pontos do sudeste da Turquia, quando reivindicavam a oficialização de seu idioma materno nos tribunais do país, informa a imprensa local.

 

Os conflitos ocorreram motivados pelo início de um julgamento contra inúmeros ativistas curdos, que tentaram fazer sua defesa no idioma curdo em um tribunal de Diyarbakir, no sudeste do país.

 

Ao todo, 151 curdos - entre eles políticos, prefeitos e ativistas - são julgados pela acusação de vínculos com o Partido dos Trabalhadores de Curdistão (PKK), ilegalizado e considerado terrorista pelo Governo turco.

 

Ao tentarem fazer sua defesa em seu próprio idioma, os réus foram calados pelos juízes, que disseram que os acusados falavam um idioma "que supostamente é curdo".

 

Milhares de pessoas se concentraram nesta quinta-feira em uma praça no centro de Diyarbakir para promover uma passeata de protesto até o tribunal, em sinal de apoio aos acusados.

 

Antes de chegar à corte, a Polícia interceptou os manifestantes, que enfrentaram a tropa de choque com pedras, pedaços de madeira e coquetéis molotov. Os policiais responderam com gás lacrimogêneo e jatos d'água.

 

Enquanto as agências de notícias turcas estimavam o número de manifestantes em cerca de 5 mil, a agência pró-curda "Firat" informou que 50 mil pessoas participaram do protesto.

 

Segundo a "Firat", "muitas pessoas" ficaram feridas nos choques, que duraram até o início da noite.

Outras manifestações ocorreram em cidades majoritariamente curdas de regiões do sudeste do país

Tudo o que sabemos sobre:
Turquiacurdosmanifestaçãolíngua

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.