Milhares de curdos participam de funeral de rebeldes

Centenas de curdos atacaram policiais com pedras e bombas incendiárias hoje após o funeral de 12 rebeldes curdos, mortos por tropas turcas quando tentavam entrar na Turquia a partir de suas bases no norte do Iraque.

AE, Agência Estado

17 de maio de 2011 | 18h32

Segundo a agência de notícias Anatolia, os confrontos ocorreram na cidade de Hakkari, sudeste do país, quando a polícia tentava dispersar a multidão que realizava um protesto ilegal após o funeral. A polícia usou gás lacrimogêneo e canhões de água para repelir os manifestantes, que montaram barricadas nas ruas.

Milhares de pessoas, com faixas com as cores vermelha, amarela e verde, usadas pelo grupo rebelde proscrito, gritavam palavras de ordem contra o governo enquanto marchavam na direção do cemitério. As mortes dos rebeldes no final de semana elevaram as tensões com a aproximação das eleições nacionais, marcadas para 12 de junho. Os partidários dos rebeldes também atacaram a polícia com pedras e bombas incendiárias em outras cidades do sudeste e em Istambul.

Os rebeldes lutam por autonomia no sudeste turco, onde a maioria é de etnia curda, desde 1984, e ameaçaram intensificar seus ataques se a Turquia não concordar em negociar até 15 de junho. Os rebeldes e um partido pró-curdo exigem autonomia para os curdos além do direito a educação em língua curda.

O primeiro-ministro Recep Tayyip Erdogan rejeitou novamente hoje os pedidos de autonomia, afirmando que o país pertence a todos os cidadãos turcos, incluindo os curdos. "Nunca permitiremos a separação", disse Erdogan durante um comício na cidade de Yozgat, região central do país. "Nós formamos uma nação, uma bandeira e uma terra natal". As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Turquiacurdosfuneral

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.