EFE/ Divyakant Solanki
EFE/ Divyakant Solanki

Milhares de dalits se manifestam no oeste da Índia após agressões

Membros da casta mais baixa do sistema hindu protestaram contra agressões de radicais que no começo da semana mataram jovem; apesar de a Constituição ter numerosos parágrafos para protegê-los, dalits ainda são vítima do abuso e desprezo

O Estado de S.Paulo

04 Janeiro 2018 | 12h16

NOVA DÉLHI - Milhares de intocáveis ou dalits, membros da casta mais baixa do sistema hindu, se manifestaram na quarta-feira no Estado de Maharashtra, no oeste da Índia, para protestar contra as agressões de supostos grupos radicais indianos que na segunda-feira causaram a morte de um jovem da comunidade.

+ Moisés Naím:Diásporas tóxicas ou salvadoras

Na metrópole de Mumbai, capital de Maharashtra e centro financeiro da Índia, a situação foi "tensa" durante a maior parte do dia, com queima de veículos e interrupção de vias, declarou um porta-voz da polícia da cidade, que pediu anonimato.

Para diminuir o efeito dos congestionamentos, a polícia de Mumbai informou durante todo o dia em sua conta do Twitter sobre estradas e vias interrompidas, além das possíveis rotas alternativas para evitar os manifestantes.

Sidesh Sawant, porta-voz da polícia de Maharashtra, explicou que no resto do Estado a situação também era "ruim", com a interrupção de estradas e "veículos danificados".

Grupos dalits (termo que substitui o mais pejorativo "intocável") em Maharashtra convocaram mobilizações em todo o Estado para protestar pelas agressões sofridas na segunda-feira de grupos radicais indianos nas proximidades da localidade de Bhima Koregaon, cerca de 300 quilômetros ao sul de Mumbai.

Ciclone deixa 16 mortos e 100 desaparecidos na Índia e Sri Lanka

Nessa cidade, os dalits celebravam o 200° aniversário da batalha de Koregaon, um importante evento para o "orgulho dalit", já que foi nessa disputa em que soldados intocáveis, às ordens dos britânicos, derrotaram um Exército formado por membros da comunidade maratha, de status social superior e majoritária na região.

O nacionalismo hindu vê essa batalha como uma traição ao interesse da Índia. "Este ano era o 200° aniversário da batalha, mas alguns grupos radicais indianos atacaram as pessoas com pedras. O Governo tampouco está fazendo nada contra eles. Por isso protestamos", disse Pravin S. Jadhao, porta-voz do partido dalit Bharipa Bahujan Mahasangha (BBM), impulsor do protesto.

Hemant Gaikwad, porta-voz do grupo de intocáveis Samta Sinik Dal (SSD), explicou que desde sua formação também pediram a todos seus seguidores que apoiem as mobilizações. "É um protesto pacífico em todo Maharashtra", assegurou Gaikwad.

O chefe de Governo de Maharashtra, Devendra Fadnavis, escreveu no Twitter que tinha ordenado uma investigação sobre os distúrbios e a morte do jovem, além de uma compensação de 1 milhão de rupias (US$ 15 mil) para sua família.

O rebuliço chegou até o Parlamento em Nova Délhi, onde foi preciso cancelar a sessão em várias ocasiões por protestos da oposição indiana sobre a suposta inação do governo para pôr fim aos ataques a intocáveis.

A comunidade dalit é ainda vítima do abuso e do desprezo dos mais extremistas dentro das castas superiores na Índia, que os veem muitas vezes como agentes contaminantes da pureza hindu, apesar de a legislação e Constituição do gigante asiático possuírem numerosos parágrafos que os protege e apoia. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Índia [Ásia] protesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.