Milhares de funcionários da ONU na Jordânia fazem greve

Quase 7 mil funcionários das Nações Unidas fazem uma paralisação de um dia na Jordânia, exigindo aumento nos salários. Eles reclamam que os pagamentos não acompanham os crescentes preços dos alimentos e dos combustíveis, em um cenário de alta inflação. Os empregados são da agência da ONU encarregada de auxiliar os refugiados palestinos.

AE-AP, Agencia Estado

20 de abril de 2009 | 12h19

O protesto levou ao fechamento de 174 escolas mantidas pela agência da ONU. A entidade ajuda a educar aproximadamente 140 mil palestinos menores de 14 anos. Segundo a agência, também estão fechadas 24 clínicas. Um porta-voz da entidade na Jordânia, Matar Saqer, disse que se negocia um possível aumento de salário para seus funcionários parados. Porém advertiu que o alto déficit da agência dificulta o atendimento da demanda imediatamente.

Tudo o que sabemos sobre:
ONUJordâniagreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.