Milhares de libaneses protestam contra o governo em Beirute

Centenas de milhares de manifestantes, carregando bandeiras, reuniram-se no centro de Beirute neste domingo, após chamado da oposição liderada pelo Hezbollah para seguir em frente com a campanha de 10 dias e derrubar o governo pró-ocidente do Líbano.Em uma demonstração de força, a multidão, aos gritos, ocupou duas praças no coração da cidade e colunas de homens, mulheres e crianças não paravam de chegar pelas ruas das redondezas para pedir a renúncia do primeiro-ministro Fouad Siniora."Fora Siniora", gritava a massa. "Beirute é livre", clamavam outros, enquanto um dos maiores protestos da história do Líbano se iniciava em plena luz do dia. Alto-falantes gigantes tocavam músicas nacionalistas. Tambores também eram ouvidos.O barulho certamente era escutado de dentro dos escritórios do governo, próximos do local, onde Siniora e a maioria de seus ministros estavam reunidos. Veículos armados e centenas de homens das forças de segurança faziam a guarda dos prédios do governo.Ativistas de oposição realizam manifestações no centro da cidade desde 1º de dezembro, em protestos para forçar Siniora e sua maioria sunita a formar um governo de unidade nacional.Não há estimativas oficiais sobre o tamanho da multidão deste domingo, mas uma força de segurança disse que era a maior manifestação já vista no Líbano."Nós vamos permanecer por dias, semanas ou meses. O que for preciso para derrubar o governo", afirmou Nader Hafez, um xiita de 21 anos, de Beirute.Siniora acusou o grupo de militantes xiitas Hezbollah de tentar armar um golpe após a guerra de 34 dias contra Israel, neste ano. O Hezbollah afirma que o primeiro-ministro e seus aliados, contrários à influência da Síria nos assuntos libaneses, queriam que Israel os destruísse.Comentaristas alertam que a situação poderia se degenerar em uma onda de violência em um país que ainda está tentando se reconstruir após a guerra civil que perdurou de 1975 a 1990.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.