Milhares de manifestantes marcham em protesto contra a repressão na Síria

Ao menos 15 pessoas morreram na quarta em choques com a polícia na cidade de Deraa

Associated Press

24 de março de 2011 | 09h28

DAMASCO - Milhares de manifestantes sírios estão pedindo por liberdade nesta quinta-feira, 24, em Deraa, no sul da Síria, durante o funeral dos mortos nos confrontos da última quarta-feira.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

Um ativista da cidade disse à Associated Press que a situação ainda é tensa, com grande presença de forças armadas nas ruas da cidade. Segundo ele, milhares de ativistas que estavam protestando no bairro de al-Mahata estão fazendo uma marcha até o princpal cemitério da região. "Queremos liberdade", cantavam os manifestantes.

 

Ontem, a polícia síria lançou um ataque contra os manifestantes, deixando ao menos 15 mortos. Este foi o dia mais violento desde o começo dos protestos na última sexta-feira.

 

A revolta em Daraa e em outros quatro locais, inspirada nos levantes pró-democracia que ocorrem nos países árabes há cerca de dois meses, se configurou no maior desafio interno da Síria desde os anos 1970. O governo de Bashar al-Assad , um dos mais repressivos do Oriente Médio, respondeu às manifestações com balas de borracha e gás lacrimogêneo, posteriormente usando munição. Até agora, 22 pessoas morreram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.