Milhares de manifestantes vão às ruas da Síria apoiar o governo

Presidente Bashar al-Assad deve anunciar renúncia de gabinete e novo governo deve ser formado dentro de 24 horas.

BBC Brasil, BBC

29 de março de 2011 | 09h00

Dezenas de milhares de pessoas participam de manifestação pelo governo na Síria

Dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas das principais cidades da Síria nesta terça-feira em manifestações de apoio ao presidente Bashar al-Assad, que vem enfrentando uma onda de protestos violentos nos últimos dias.

As manifestações ocorrem em resposta a um pedido do governo feito na segunda-feira.

Imagens transmitidas pela TV estatal síria mostram multidões reunidas na capital, Damasco, e também em cidades como Aleppo, Hasaka, Homs e Hama.

Os manifestantes gritavam frases como "Apenas Deus, Síria e Bashar", ou então "Vamos sacrificar nossas vidas e sangue por você, Bashar".

De acordo com a correspondente da BBC em Damasco Lina Sinjab, as manifestações desta terça-feira ocorrem em meio à expectativa pelo discurso em rede nacional do presidente, primeiro pronunciamento do líder sírio desde o início da onda de protestos violentos, há quase duas semanas.

O gabinete sírio deve anunciar sua renúncia nesta terça-feira e um novo governo deve ser formado dentro de 24 horas.

Assad também deve anunciar a suspensão do estado de emergência, que já dura 50 anos no país, além de anunciar o fim de outras restrições às liberdades civis e políticas.

Ameaça

De acordo com grupos de defesa dos direitos humanos as quase duas semanas de protesto contra o regime de Assad já deixaram mais de 60 mortos.

Os protestos são a maior ameaça a Assad, de 45 anos, que sucedeu seu pai, Hafez, depois de sua morte em 2000.

Os protestos começaram depois da prisão de um grupo de adolescentes que escreveram frases contra o governo em um muro na cidade portuária de Latakia, no sul do país.

Na segunda-feira soldados dispararam gás lacrimogêneo contra centenas de pessoas em protesto na cidade de Deraa, segundo testemunhas.

A correspondente Lina Sinjab afirma que muitos na Síria estão insatisfeitos e acreditam que deveria ter sido decretado um dia de luto nesta terça-feira pelas mortes ocorridas nos últimos protestos.

E a tensão continua em muitas cidades, principalmente em Deraa e Latakia.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.