Milhares de pessoas apóiam Junta Militar nas ruas de Yangun

Ato coincide com resposta ao comunicado da ONU que lamentou repressão às manifestações pela democracia

EFE

13 de outubro de 2007 | 04h53

Milhares de pessoas se manifestaram neste sábado pelas ruas de Yangun para apoiar a Junta Militar de Mianmar (antiga Birmânia). Os militares repudiaram a declaração da quinta-feira do Conselho de Segurança da ONU, que "lamentou firmemente" a repressão contra as manifestações em favor da democracia. Segundo a rádio tailandesa, se trata da primeira manifestação deste tipo ocorrida em Yangun desde a violenta resposta do regime aos protestos opositores, embora já foram realizadas outras parecidas em outras partes do país. A manifestação transcorreu no meio da chuva e nela um grande número de monges puderam ser vistos, segundo as imagens divulgadas pelas redes tailandesas. A concentração coincide com a resposta ao comunicado da ONU por parte da Junta Militar, que, por meio do jornal "A Nova Luz de Mianmar", considerou que a atual situação em Mianmar "não representa uma ameaça para a paz e segurança nacional". No entanto, a Junta se comprometeu a cooperar com a comunidade internacional e a prosseguir o projeto de seu próprio "mapa do caminho" para a democracia.

Tudo o que sabemos sobre:
mongesrepressãoMianmar

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.