Milhares de pessoas fogem de guerra no Congo

Dezenas de milhares de civis tomaram as estradas para deixar uma cidade do leste da República Democrática do Congo (RDC, ex-Zaire), tentando escapar da disputa de poder entre milícias étnicas rivais, marcada por violentos choques. Sob pressão da ONU, o presidente do Congo, Joseph Kabila, e líderes das facções em conflito iniciaram negociações urgentes nesta quinta-feira. Autoridades ligadas à ONU e outras autoridades alertam para o risco de genocídio na província congolesa de Ituri.A retirada, em 7 de maio, de soldados estrangeiros enviados à província abriu caminho para agravar a sangrenta disputa de poder entre as tribos rivais lendu e hema. Em Bunia, a capital da província, corpos sem vida jazem nas ruas. Nesta quinta-feira, enquanto líderes milicianos reuniam-se na Tanzânia, o povo de Bunia aproveitava a interrupção temporária dos choques para fugir da cidade, de onde muitos passaram uma semana sem poder sair.Foram confirmadas pelo menos 100 mortes. Dezenas de corpos foram encontrados numa igreja, onde as vítimas foram buscar refúgio. "Este é um raro dia calmo. Quando saí de casa, vi umas duas mil pessoas andando na direção do aeroporto", comentou Patricia Tome, porta-voz da ONU.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.