Christian Iglesias/EFE
Christian Iglesias/EFE

Milhares de pessoas marcham no Chile para acabar com a violência contra as mulheres

Principais pontos de Santiago foram tomados por manifestantes buscando incentivar as denúncias de crimes e abusos sofridos

O Estado de S.Paulo

07 Julho 2017 | 01h51

SANTIAGO - Cerca de cinco mil pessoas marcharam na quinta-feira, 6, em Santiago, no Chile, para se manifestaram a favor do fim da violência contra as mulheres e para incentivar a denúncia de crimes cometidos contrra elas. 

Sob o lema de "Nós acreditamos em você", as organizadoras cruzaram importantes pontos da capital chilena como a Praça Itália, o Palácio de La Moneda, que é a sede do Executivo nacional, e o Memorial das Mulheres na Praça dos Heróis, todos na Avenida Libertador Bernardo O'Higgins, a mais famosa da cidade. 

"Todo mundo precisa se conscientizar para acabar com a violência e para que as mulheres denunciem mais. Elas não se atrevem a denunciar porque têm vergonha, constrangimento e porque não acreditam nelas", afirmou a coordenadora do "Nem uma a menos", Ximena Riffo. Ela criticou também o fato de o país de 18 milhões de habitantes não ter uma lei que proteja as mulheres. 

A porta-voz do governo, Paula Narváez, reforçou o coro de apoio ao movimento. ""O silêncio pode ser cúmplice. Por trás da violência de gênero há vidas prejudicadas e direitos humanos desrespeitados". / EFE

Mais conteúdo sobre:
Chile

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.