Gabriel Bouys/AFP
Gabriel Bouys/AFP

Milhares de professores ficam aglomerados em filas para teste de covid-19 em Madri 

Com o novo ano letivo começando na próxima semana, a região de Madri está testando todos os seus professores para anticorpos contra o coronavírus, com mais testes para aqueles com um resultado positivo

Redação, O Estado de S.Paulo

02 de setembro de 2020 | 16h01

 

MADRI - As autoridades em Madri, na Espanha, tiveram de fechar um centro de testes de coronavírus para professores nesta quarta-feira, 2, depois que grandes multidões se formaram do lado de fora em longas filas de espera.

Com o novo ano letivo começando na próxima semana, a região de Madri está testando todos os seus professores para anticorpos contra o coronavírus, com mais testes para aqueles com um resultado positivo. 

Mas o programa teve um início difícil, pois imagens da agência de notícias EFE mostraram centenas de pessoas fazendo fila no quarteirão em frente à Escola Virgen de la Paloma, no noroeste da cidade, com pouco espaço para observar o distanciamento social. Segundo a polícia, havia pelo menos 5 mil pessoas no local. 

O retorno às salas de aula ocorre em meio à preocupação com o aumento acentuado de casos. As autoridades regionais responsáveis pela Educação pediram na terça-feira que todos os professores fizessem testes de anticorpos antes do início das aulas na próxima semana. 

Uma porta-voz do departamento regional de Educação disse que o centro foi fechado por volta das 14h (hora local) e aqueles que perderam o teste terão de remarcar uma nova consulta até o fim da semana. Cinco outros centros na região de Madri continuaram a operar normalmente ao longo do dia. 

"Estão expondo todos os professores à contaminação" pela dificuldade de manter uma distância segura, "e aí vamos estar com as crianças e essas crianças poderão infectar suas famílias: isso é um massacre", disse Eva Minerva, professora primária, depois de quatro horas esperando para ser testada.

"Tratam-nos pior do que gado, me dá vontade de chorar", disse indignada Carmen, outra professora primária que preferiu não informar o sobrenome. 

A Espanha, e a região de Madri em particular, passa atualmente por uma segunda onda de coronavírus. As autoridades estabeleceram medidas rígidas para tentar prevenir infecções nos centros, e vão obrigar os alunos a usarem máscaras em todos os momentos a partir dos 6 anos./AFP, EFE e Reuters  

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.