Milhares de refugiados líbios fogem para a Tunísia

Milhares de refugiados estão chegando ao sul da Tunísia todos os dias, fugindo dos combates que ocorrem na região montanhosa do oeste da Líbia, informou hoje o Alto Comissariado para Refugiados da Organização das Nações Unidas (Acnur).

AE, Agência Estado

19 de abril de 2011 | 17h47

Também hoje, o maior barco com refugiados do norte da África chegou à Itália, desde o início da crise humanitária na região em janeiro. O barco tem 760 refugiados africanos e, vindo da Líbia, chegou à ilha italiana de Lampedusa, no Estreito da Sicília, informou a agência Ansa.

O Acnur informou hoje em sua página na internet que o conflito civil líbio expulsou milhares de berberes para a região de Dehiba, no sul da Tunísia. No total, disse o comissariado, o conflito na Líbia, que começou em meados de fevereiro, já tornou 500 mil pessoas refugiadas, em um primeiro momento estrangeiros de outros países africanos que viviam e trabalhavam no país, mas agora também líbios.

O Acnur disse que 10 mil berberes líbios (não árabes) chegaram ao sul da Tunísia nos últimos dez dias. Firas Kayal, um funcionário do órgão, disse que 2 mil refugiados chegam por dia e ainda não está claro quantos mais chegarão nos próximos dias, tentando fugir do avanço das tropas do governante líbio Muamar Kadafi nas montanhas entre a Líbia e a Tunísia.

Enquanto isso, aumentou o fluxo de refugiados que escapam da Líbia e tentam chegar à Europa. Hoje, um barco vindo da Líbia com 760 refugiados nigerianos, paquistaneses e do Mali chegou a Lampedusa. A Cruz Vermelha Italiana disse que foi a maior chegada isolada de imigrantes clandestinos do norte da África.

O ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, disse que o enorme número de refugiados indica que Kadafi começou a cumprir sua ameaça de enviar africanos para a Europa. Segundo ele, Kadafi "começou a organizar o tráfico humano" a partir do porto líbio de Zwara, reportou a agência italiana LaPress.

A Itália já vive uma crise diplomática com a França e em menor intensidade com a Alemanha, países europeus que criticam o governo de Roma por ter dado permissão de residência a 26 mil tunisianos que chegaram a Lampedusa e à Sicília entre janeiro e o final de março. A França se recusa a permitir que os tunisianos entrem em seu território. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
LíbiaataquesrefugiadosTunísiaAcnur

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.