Milhares de sírios participam de manifestação em apoio a Assad

Segundo agência oficial, campanha foi lançada por grupo de jovens sírios

Efe

15 de junho de 2011 | 09h36

CAIRO - Milhares de pessoas participaram nesta quarta-feira, 15, de uma manifestação em Damasco em apoio ao regime do presidente Bashar al Assad, enquanto continua a repressão do Exército aos protestos dos opositores na província setentrional de Idlib.

 

Veja também:

video TV Estadão: Imagens do ato pró-Assad

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

 

 

A rodovia de Mezzeh, na capital, apareceu coberta por uma enorme bandeira síria, segundo as imagens divulgadas pela televisão estatal.

 

 

Os milhares de participantes se manifestaram a favor da união nacional e expressaram sua rejeição à intromissão estrangeira nos assuntos internos da Síria.

 

"Com sangue e espírito te salvamos Bashar", diziam alguns manifestantes, muitos dos quais carregavam fotografias de Assad.

 

Segundo a agência oficial "Sana", a campanha foi lançada por grupos de jovens e milhares de pessoas participaram dos protestos.

 

Um dos organizadores, Rabi Dibeh, disse à agência que a campanha foi iniciada com o hino nacional e que foi feito um minuto de silêncio para "homenagear os mártires civis e do Exército".

 

Coincidindo com esta manifestação de apoio ao regime, os grupos opositores denunciaram que a repressão continua em várias cidades da província de Idlib, onde a violência dos últimos dias obrigou mais de 8,5 mil sírios a buscar refúgio na Turquia.

 

Segundo os Comitês de Coordenação Locais, cerca de 40 veículos militares chegaram nesta quarta-feira a uma cidade situada a 10 quilômetros de Yisr al Shugur, onde o Exército irrompeu no último dia 12 de junho.

 

A televisão síria informou que milhares de moradores de Yisr al Shugur retornaram a esta localidade depois que a situação ficou mais calma.

 

Além disso, a televisão anunciou a descoberta de uma nova vala comum, a segunda encontrada na região, com corpos de membros da Polícia e do Exército assassinados por supostos grupos armados.

 

Nenhuma dessas informações pode ser confirmadas de forma independente devido ao forte controle das autoridades, que expulsaram, detiveram, ameaçaram e torturaram diversos jornalistas.

 

Desde o início da revolta na síria, mais de 1,1 mil pessoas morreram e mais de 10 mil foram detidas, segundo informou nesta quarta-feira a Alta Delegacia da ONU para os Direitos Humanos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.