Milhares de sírios tomam as ruas em novo dia de protestos

Forças de segurança do presidente Assad cercam diversas cidades para impedir manifestações

Efe

13 de maio de 2011 | 10h03

CAIRO - Milhares de pessoas começaram nesta sexta-feira, 13, a sair às ruas de várias cidades da Síria em um novo dia de protestos contra o regime de Bashar al-Assad, que mantém um forte contingente militar para reprimir as manifestações.

 

Veja também:

blog GUSTAVO CHACRA: Levantes não seguem linha sectária

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

mais imagens Galeria de fotos: Veja imagens dos protestos na região

 

 

 
Depois da reza muçulmana do meio-dia, como tem sido habitual, os protestos começaram em Damasco e em cidades como Hama, Homs e Idlib, ao norte da capital, e Deir el Zur, ao oeste, segundo vários grupos opositores.

 

O início do dia, batizado como "Sexta-feira dos livres", não ficou livre da repressão das forças de ordem, que dispersaram com violência uma manifestação em um bairro de Damasco, onde detiveram várias pessoas.

 

As forças de segurança lançaram gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes na cidade de Daria, ao leste da capital. A emissora opositora "Sham" informou sobre uma grande manifestação em Hama para pedir a queda do regime sírio e o fim do bloqueio de cidades como Deraa, no sul, e Baniyas, no litoral mediterrâneo.

 

Em Homs, ocorre uma importante concentração e as forças da ordem estão tentando reprimir os manifestantes. A emissora "Flash" detalhou que nessa região foram ouvidos disparos.

 

Por outro lado, na cidade de Idlib, cerca de 3 mil pessoas participaram dos protestos que estão sendo recebendo forte repressão das forças de segurança.

 

Nesta cidade, os manifestantes gritaram frases pedindo a derrocada do regime e mostrando seu apoio à cidade de Homs, que na sexta-feira foi passada foi alvo de uma dura repressão por parte das forças da ordem.

 

Os protestos ocorrem apesar de os tanques do Exército estarem presentes em várias cidades. Nos últimos dias, inúmeros ativistas foram detidos.

 

Vários grupos denunciaram na véspera uma ampla campanha de detenção de opositores a Assad em diferentes pontos do país, entre eles o ativista de direitos humanos Mohammed Nayati Tayara e o marido da conhecida ativista Razan Zaituneh.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.